28.7.11

Em tempo de guerra, não se limpam conclusões

Partindo daqui, logo percebem como isto chegou a este estado de sítio.

‪Sónia H. disse...Em tempo de guerra, qualquer buraco é trincheira.

E eu expiico (tomando por base que, em tempo de guerra, nem todo o buraco dá paz):

Tinha rebentado a guerra e, para além do inconveniente que isso se torna para quem não quer morrer antes de tempo, há a acrescer que as coisas ainda se complicam mais para um casalinho de soldados em início de vida. Já se sabe que a guerra encarece tudo e as pessoas levantam imensas questões por tudo e por nada, como se quisessem arranjar inimigos em todas as esquinas.

Mas, determinados a fazer as coisas resultar, este casal de soldados não estava pelos ajustes e não ia ser um conflito armado de larga escala que os iria deter na procura do seu ninho de amor. Assim, com a ajuda de um oficial imobiliário, começaram à procura da trincheira dos seus sonhos. No entanto, como tudo o que é feito entre casais, nem sempre é fácil achar uma concordância absoluta e, se um adorava uma trincheira nas colinas, já o outro queria uma com vista para o mar, mesmo que fosse só debruçado de lado e ao alcance da artilharia inimiga.

Juntando a isso, em tempo de guerra, o financiamento de uma trincheira, mesmo longe de zona central de batalha, agrava tudo em termos de câmbio. Não só não há cigarros, bebidas e posters de mulheres nuas em quantidades suficientes, como os proprietários de trincheiras querem fazer o máximo lucro possível sem sequer terem uma água da valeta disponível nos seus imóveis.

Já desesperados, o casal de soldados pediu ao oficial imobiliário para lhes arranjar algo que soubesse que se enquadrava nas suas possiblidades, pois dificilmente conseguiriam a perfeição que desejavam em termos de trincheira T Abaixo de Zero. E eis que, numa tarde em que a artilharia folgou foram ver um spot giríssimo ao pé de um bosque mas, lá chegados, detectaram um cheiro estranho à medida que se aproximavam.

O sacana tinha-os levado até uma vala comum. Mas, segundo ele, era uma vala comum com cachet. “Oiçam, fica a poucos minutos do vosso local de trabalho, a vizinhança é calmíssima e há gente mortinha por vir para aqui. E, vendo bem as coisas, vocês têm a vantagem de estar vivos”.

Olharam um para o outro, deram as mãos, sorriram e um deles disse antes de saltarem: “Olha, em tempo de guerra, todo o buraco é trincheira”.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.