27.7.11

Em casa de Mak, espeto de conclusões

Tudo começou aqui e sabe-se lá onde vai acabar.

‪Secretária de S. Jerónimo disse...

"Em casa de ferreiro, espeto de pau"

E eu explico (relembrando para não brincarem com fósforos em provérbios alheios):

Na casa daquele ferreiro, o único metal que havia era no som que saía dos headphones do seu filho. Não era um ferreiro qualquer e, sendo responsável entre outras coisas por artilhar todos os ninjas do país em termos de arsenal bélico, evitava ao máximo ter peças do seu trabalho a circular em sua casa. No entanto a sua esposa que, por diversas vezes, era também sua mulher e, menos frequentemente, desempenhava o papel de seu amor reclamava incessantemente por causa dos utensílios de cozinha e da falta que lhe faziam um bom conjunto de facas para amanhar o peixe e, quem sabe, poder tornar-se viúva.

Homem previdente, o nosso ferreiro tinha outros planos e contactou um marceneiro que, apesar de cantar no banho, não era Alfredo. Deu lhe instruções precisas para que replicasse toda a cutelaria normal de uma casa, mas em madeira e, assim que tivesse a primeira peça pronta, deveria dar-lha para ele ver como corriam as coisas lá em casa.

E assim chegou um conjunto de espetos de pau a casa do ferreiro. A mulher não reclamou, mas também não adorou e nessa noite, antes de adormecer, o ferreiro pensava em pôr o assunto para trás das costas e a mulher pensava se aquele assunto daria para espetar nas costas do ferreiro.

Acordaram ambos sobressaltados com o cheiro a queimado na casa. Desceram e viram que o incêndio já ia lesto na cozinha e o som a metal era intenso. Vinha do quarto do filho, onde este ouvia o último álbum dos HellFireDeathSorrow, entitulado “Burn your parents down”. Só lhes restava chamar os bombeiros e esperar o melhor, porque o pior já estava ali.

Sem casa, uniram-se na desgraça e todos os fins de semana, quando iam visitar o filho à Casa de N.Senhora dos Pirómanos com Salvação, pensavam suspirando “Foi preciso que os espetos de pau ardessem, para que o amor voltasse a casa do ferreiro”.

7 comentários:

  1. Tão lindo que até pestanejei! Ou melhor, lacrimejei!

    ResponderEliminar
  2. Dez minutinhos de programa da manhã na TVI e por estas mãos fluem desgraças para o teclado.


    PS - O word check "dores" comprova isto.

    ResponderEliminar
  3. Mas que história de "faca e alguidar" tu nos arranjaste!
    Até o Alfredo Marceneiro deu um ar de sua graça!
    Se veres o programa da manhã da TVI te deu esta inspiração, o que daí sairá depois de veres os telejornais dessa estação de televisão!!

    (abençoada imaginação!)

    :)

    ResponderEliminar
  4. és um génio!

    ResponderEliminar
  5. Eugénio? Não iria tão longe...

    ResponderEliminar
  6. Mas que coincidência macabra...

    ResponderEliminar
  7. ahahaha Eugénio é lindo :)

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.