26.7.11

Dou-vos histórias doces em troca de provérbios salgados

Na realidade este título não faz sentido, mas não queria que alguma vez se dissesse que este blog nunca homenageou a Lena D’Água. O que se passa é muito simples, a silly season já está lançada e eu confesso que só me tenho sentido silly a meio gás, enquanto o mundo caminha a passos largos para o silly absoluto.

Assim, para me redimir a ideia não é complicada: podem deixar nesta caixa de comentários, provérbios da vossa escolha pelos quais sempre tenham nutrido um carinho especial e que sejam conhecidos por mais do que duas pessoas da vossa rua.

A partir deles, eu explico como é que esse provérbio surgiu, numa pequena história plena de cultura popular e veracidade, sendo que o prazo de saída das histórias depende da participação/disponibilidade. Para evitar que eu escreva os Lusíadas, limita-se a 1 provérbio por pessoa e os anónimos ficam dependentes da minha boa vontade.

Exemplo do Mak: Quem o alheio veste, na praça o despe.

José Manuel Alheio era um costureiro de renome. As suas peças deslumbravam em qualquer passerelle e, de vedetas internacionais a figuras proeminentes, não havia quem não quisesse ter algo do Alheio. Mas, José Manuel ocultava um segredo, era filho de uma peixeira e tinha tanta vergonha disso que quase ninguém sabia desse facto. No entanto, inseria sempre nas suas peças um apontamento de peixe, fossem escamas reais ou espinhas de peixe para, mesmo que de modo oculto, honrar as suas origens.

Consumido pelo remors, disfarçou-se e, um dia, visitou a praça onde a sua mãe trabalhava e, entre choro e cheiro a corvina fresca, revelou-lhe esse facto.

Mal sabia o pobre Alheio que também era alvo das escutas do News of the World e, no dia a seguir, o mundo sabia da peixeira por detrás de José Manuel e da história das escamas de peixe. Muito depressa caiu o Alheio em desgraça e, quem antes vestia as suas peças, rapidamente as despiu, havendo quem se desse ao requinte de malvadez de enviar os vestidos para a praça onde a sua mãe trabalhava.

O Alheio sobrevive hoje à conta dos amigos.

25 comentários:

  1. cadelas apressadas parem os cães cegos

    ResponderEliminar
  2. raposas habituadas a galinhas só mortas

    ResponderEliminar
  3. O Alheio caiu em desgraça?
    Que final da história mais triste! Até parecias o Charles Dickens...
    Hoje em dia um pouco de publicidade é que faz toda a diferença pois há (infelizmente) a noção de que para os negócios falar bem ou mal não importa... o que importa é que se fale!

    Mas tu queres um proverbio para depois ires dissertando a partir dele??
    Ora deixa cá ver...
    Deixo-te um que revela a minha tenacidade em cá continuar a comentar-te:
    «Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura!»

    Que a inspiração nunca te abandone!! :)


    PS: quando li o título do post lembrei-me logo da Lena d'Água e do videoclip desta música, filmado em redor de uma piscina e onde o irmão (Rui) aparecia a dar toques numa bola!

    ResponderEliminar
  4. "Em terra de cego quem tem olho é rei". Obrigado desde já pela atenção. ;)

    ResponderEliminar
  5. @ Keep Calm - não pondo em causa a indubitável qualidade das propostas, terás que optar apenas por uma...

    @ Orquídea e TLD - As vossas sugestões estão a ser processadas, o que é bem melhor do que serem processados por causa das vossas sugestões.

    ResponderEliminar
  6. Em tempo de guerra, qualquer buraco é trincheira.

    ResponderEliminar
  7. Depois de muito pensar, de andar aqui às voltas na minha memória à procura de um provérbio (que eu sou uma pessoa simples do campo e no campo todos sabemos muitos provérbios), lá me lembrei deste, que acho apropriado:

    "Ladrão que rouba ladrão tem 100 anos de perdão"...

    Tinha muitos mais, ms pronto!

    ResponderEliminar
  8. Chovendo em Novembro, Natal em Dezembro..:)

    ResponderEliminar
  9. Mais vale rico e com saúde do que pobre e doente.

    ResponderEliminar
  10. Ó Julie... esse provérbio está esquisito...!!
    Ou foi de propósito que trocaste as permissas?

    :)

    (desculpem lá meter a colherada!)

    ResponderEliminar
  11. Foi de propósito. Mas não achas que faz sentido?

    ResponderEliminar
  12. Julie,
    Faz... lol (bem demais até!)
    Mas para essa verdade de La Palice não era necessário o provérbio!!
    :)

    ResponderEliminar
  13. Não se preocupem, aqui privilegia-se o que não faz sentido.

    Acho eu.

    ResponderEliminar
  14. Pois se queres provérbios, tens muitos aqui:
    www.proverbiosprovados.blogspot.com

    E também "arranho" umas histórias com eles, será que posso dizer que me roubaste a ideia, Sr. Mau?? :)

    ResponderEliminar
  15. @ Gui - Pois que a cada um o seu mester, o seu a seu dono e por aí em diante :)

    No entanto, isto é apenas algo que me ocorreu para um desafio de um dia, uma espécie de acampamento com princípio, meio e fim. A casa que tu construíste leva outro andamento e ainda bem que assim é.

    Abraço.

    ResponderEliminar
  16. um bom desafio, engraçado pelo menos :)

    o provérbio escolhido : Diz-me com quem andas, dir-te-ei quem és.

    :)

    ResponderEliminar
  17. Já está tudo?

    Processando...

    ResponderEliminar
  18. entao vamos lá ver o que dizes deste:

    se ela quisesse a mim já me apetecia

    ResponderEliminar
  19. Digo q é bonito, tem o seu charme, mas já não vais a tempo que senão isto torna-se uma novela e eu não quero começar a escrever maus diálogos...

    ResponderEliminar
  20. Mak, afinal estás aqui a mostrar o chupa chupa e quando estendemos a mao esconde-lo?? Raistaparta, pá! Estás com medo ou quê? ;)

    ResponderEliminar
  21. Nada de medo, é mais tudo cronometrado ao segundo. Ainda tenho aqui uns frangos para aviar, umas empadas para amassar e umas tortas para endireitar....

    Deixa lá ver, mas não prometo nada ;)

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.