27.7.11

Blog onde não há conclusão, todos comentam e ninguém tem razão

Na sequência deste post, Mak serve cultura, mas sem talheres que assim ninguém faz confusão.

‪Kepp calm and carry on disse...cadelas apressadas parem os cães cegos

E eu explico (a duplicidade do verbo parar é, por vezes, enganadora):

Naquela cidade, era difícil apanhar uma cadela. E, sendo uma cidade onde se valorizavam muito as cadelas, a vida não era fácil especialmente para quem era cão. Fartos de as verem de um lado para o outro sem nunca as apanharem, os cães, que tinham tanto de empenhados como de desequilibrados emocionalmente tomaram uma decisão dramática – decidiram cegar-se para pôr fim ao seu tormento.

Não resultou, porque só se aperceberam depois que era do olfacto que dependiam mais e, sendo assim, correram também eles, mas em direcção ao precipício mais próximo para pôr fim à sua miséria. Estavam quase a chegar lá, quando alguém (posso ser eu) gritou para as cadelas que iam a correr ali perto “Suas cadelas apressadas, parem os cães cegos”. E, pela primeira vez na vida elas ouviram alguém para além de si próprias, e correram a salvar os cães.

Certamente que esta história tem uma moral algures, mas de certeza que tem estupidez em maior quantidade.


(processando mais)

3 comentários:

  1. Eu sei, daí a referência à duplicidade do verbo parar. É que isto, tendo regras, serve apenas para eu as quebrar ou torcer à minha vontade ;)

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.