30.6.11

Beware of the projectos de merda

Nesta vida existem teorias que ganham coerência e sobriedade se forem apresentadas por uma frase que começa com “Nesta vida”. E, assim sendo, para reforçar isto mesmo, deixem que vos diga:

Nesta vida, pelo menos uma vez (se tiverem muita sorte), alguém vos vai tentar arrastar para um projecto de merda.

Antes de mais, a abordagem pode ter três estilos básicos:

a) A pessoa vem falar convosco e, sem perceberem bem como, de repente a conversa vai parar a uma ideia que ela andou a desenvolver e para a qual nós seríamos a pessoa certa para entrar com: o vosso skill profissional (sejam padeiros, arquitectos, designers, strippers ou tudo e um par de botas), o vosso dinheiro, a vossa relação com x, y ou z ou todas as anteriores. É a chamada alma gémea da ideia de merda.

b) A pessoa vem falar convosco, vende o seu projecto como se fosse algo que vai revolucionar o mundo ou, em alternativa, o vosso bairro. Mostrando-se ao mesmo tempo condescendente e ansiosa, essa pessoa dá então a entender que, com alguma sorte, vai ver se nos pode incluir no projecto. É a chamada ideia de merda com capa dourada.

c) A pessoa não vem logo falar convosco. Prepara uma teia de informação e lazer, manda uns mails, sugere a uma ou duas pessoas que conheces, diz-te que têm que ir beber um copo, cria todo um ambiente de good mood social e reforça os laços que vos unem. Só depois, especialmente se já estiverem ambos bêbados ou nus, é que vos vende a ideia de merda. É a chamada ideia de merda you and me forever.

Sendo totalmente honesto, em 10-15% dos casos, um pouco mais se o vosso círculo de amizades tiver um baixo teor de mentecaptos, o projecto pode valer a pena. E digo pode, porque existem n variantes e imponderáveis que os deuses criaram só para lixar projectos fixes que podiam ter sido, mas nunca chegaram a ser.

O problema é que há uma gigantesca maioria que são, pura e simplesmente, projectos de merda. Seja porque já existem, seja porque existem razões muito válidas para não existirem, seja porque uma colónia de férias para nudistas com workshop de apicultura não vinga, que um café de speed dating para gagos não rende, que uma loja com estampados de lycra para homem é capaz de não dar e que um rally paper com prova de vinhos antes já é um desastre antes de acontecer, há todo um tipo de projectos para os quais basta um passo em frente para cairem no abismo.

O meu conselho: oiçam tudo com calma, tirem apontamentos para mais tarde recordarem e para que nunca vos faltem histórias em jantares e convívios e depois.... FUJAM, DIGAM NÃO ENQUANTO FOGEM E, SE CORREREM ATRÁS DE VOCÊS, PAREM, DÊEM UMA BIQUEIRADA ONDE DOA MAIS AO VOSSO INTERLOCUTOR, ANTES DE VOLTAREM A CORRER.

É meio caminho andado não para a felicidade, mas sim para não serem uns infelizes que se arriscam a, uns tempos mais tarde, a estarem no programa da Fátima Lopes ou da Júlia Pinheiro, a falar do projecto que vos levou à ruína e que agora estão a leiloar um rim porque o miúdo quer ter dentes de leite como os amigos e vocês não têm dinheiro para isso.

4 comentários:

  1. Este teu rasgo alucinado merece um pulitzer...
    Li-te como se bebe meio copo de vinho, de um só trago!

    Se falas por experiência própria, das duas uma: ou corres muito bem (e tens gasto as solas dos sapatos) ou então foste dos que já foi sentar-se ao lado de uma das "rainhas" dos programas da tarde a contar as tuas desditas...

    Seja como for, valeu sempre a pena... pelo menos porque te inspirou este post!

    Beijos perfumados :)

    ResponderEliminar
  2. Uma pessoa identifica-se facilmente com a tua escrita. Uma pessoa com um blogue identifica-se facilmente com este post.

    ResponderEliminar
  3. Normalmente, a polícia identifica-me logo numa rusga.
    Por isso, vou considerar os vossos comentários numa perspectiva elogiosa ;)

    ResponderEliminar
  4. Quase que dá vontade de te propor uma ou duas ideias de merda ;)

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.