15.4.11

O taxista das 3 e 20

Já apanhei taxistas que me disseram que Jesus era a salvação.

Já apanhei taxistas que me disseram que Jesus era o culpado dos maus resultados.

Já apanhei taxistas que me disseram que no tempo de Salazar é que era.

Já apanhei taxistas que morreram no tempo de Salazar, mas ainda não sabiam.

Já apanhei taxistas que levavam o termo “corrida” a sério.

Já apanhei taxistas que levavam o termo “papa-açorda” a sério.

Já apanhei taxistas que por pouco não apanhavam.

Já apanhei taxistas e por pouco não era eu que apanhava.

Já apanhei taxistas que falavam da vida como se ela fosse uma droga.

Já apanhei taxistas que não falavam da vida, porque estavam a pensar em droga.

Já apanhei taxistas que sabiam todos os segredos da sedução.

Já apanhei taxistas que não sabiam todos os segredos da higiene diária.

Já apanhei taxistas que eram um verdaedeiro ponto.

Já apanhei taxistas que não sabiam qual a distância mais curta entre dois pontos.

Não sendo um ávido frequentador de táxis, posso no entanto dizer que já apanhei muita coisa. Mas não como o taxista de ontem, às três e vinte da manhã. Foram 15 minutos num táxi que podiam ter sido 15 minutos na palheta com um amigo. Sem fretes, sem conversa forçada, nem episódios que não lembram ao demónio.

Uma chapada na cara para quem, como eu, tende a fazer do sarcasmo e da pouca fé na humanidade um cocktail de referência. Pelo menos foi daquelas chapadas que sabem bem.

E, quando o surreal é a realidade de ter um taxista no fim da viagem a agradecer a simpatia e retribuirmos na mesma moeda porque não podia ser doutra maneira, então é porque é uma história que vale a pena ser contada.

Para que tudo volte a fazer sentido na minha cabeça, quero acreditar que isto só se passou assim, porque o gajo levava um corpo escondido no porta bagagens.

3 comentários:

  1. quase parecias o martinho da vila... "já tive mulheres..." LOL

    ResponderEliminar
  2. Já devo ter apanhado alguns destes taxistas...

    ResponderEliminar
  3. Nós e os nossos politicos http://lmmgarcia.wordpress.com/2011/04/18/a-menina-do-capuz-vermelho/

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.