31.3.11

Tempo de mudanças

Depois de demorar cerca de duas semanas a ler a Internet toda, descobri que já há demasiado texto inspiracional a falar de mudanças. Mudanças pessoais, mudanças profissionais, mudanças automáticas vs mudanças manuais e por aí em diante, parece que mais do que mudar, as pessoas gostam é de falar sobre mudanças.

Ora eu, que estou sempre um passo atrás em relação à maior parte das coisas, não por medo, mas pelo gosto de ver os outros a tropeças primeiro, resolvi avançar à campeão com um texto muito desinspiracional sobre mudanças.

E atenção, quando falo de mudanças não falo daquele conceito sentimentalóide da palavra, são mesmo mudanças à bruta, daquelas de caixotes às costas, tipos com palitos na boca a carregarem sofás e a perfeita noção de que acumulamos mais tralha do que aquela que alguma vez vamos precisar na vida.

28 mil palavras depois, chegamos à questão central – mudei-me. E digo mais, daqui a três meses mudo-me outra vez, tal foi o gozo que me deu a experiência.

Não questionando o meu poder de síntese e parte da mentira grosseira que encerra a parte anterior, deixem que vos diga uma coisa – sou um calhau insensível no que toca à mudança de casa. Já quando deixei a casa onde cresci e saí já jovem adulto, pensei que ia ser sofrido, muita mágoa e saudade no coração. Tirando uma lasca de madeira, não sofri quase nada e o processo foi calmo e tranquilo. Aquilo que lá deixei, veio comigo na minha memória e aquilo que não pôde vir, vou eu ter com ele quando é preciso.

Agora foi a vez da primeira casa alugada em nome próprio. As emoções e as memórias foram o que menos difícil houve para empacotar. Agora a porra das 20 mil caixas e sacos, mais uma camioneta de mudanças cheia até ao tecto, isso sim custou até quase às lágrimas. Lágrimas dos tipos das mudanças claro está, quando viram a cama gigante e o frigorífico monstro com que iam ter que alombar nas escadas.

Já eu, não choro por qualquer mudança. Prefiro poupar as lágrimas para o fim de filmes fofos como o Titanic.

4 comentários:

  1. ...
    E já agora, filmes como "A Cidade dos Anjos"... ou até o clássico "E.T."
    Desejo que esses ventos de mudança tenham sido bons."
    Fica bem :)

    PS: acredito é que ainda tenhas umas pilhas de caixas para desempacotar durante os próximos tempos.

    ResponderEliminar
  2. Se te vais mudar daqui a três meses nem te dês ao trabalho de tirar as coisas das caixas!

    ResponderEliminar
  3. Eu mudei de casa há 2 anos. Ainda tenho caixas por desempacotar, tal não é a falta que aquela tralha toda me faz! :)

    ResponderEliminar
  4. "Já eu, não choro por qualquer mudança. Prefiro poupar as lágrimas para o fim de filmes fofos como o Titanic."
    Estou a tentar imaginar o escritor deste blog a ver o Titanic... Continuo a tentar... E a tentar... Não consigo desisto... :)

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.