7.2.11

Fugiu de sua casa, sofria de perturbações mentais

Muito antes de existirem os Malucos do Riso, este era o tipo de malucos que tinha um espaço reservado na televisão. Um logotipo da Judiciária anunciava a seriedade da coisa, partindo-se depois para uma descrição da zona e da indumentária da pessoa à altura do seu desaparecimento que, invariavelmente sofria de alguma maleita ou perturbação mental. Seguia-se, em certos casos, uma fotografia do desaparecido que, invariavelmente, não fugia muito do patamar assustador/depressivo.

Embora a fotografia fosse mais propícia a que alguém fugisse ao encontrar o dito personagem, não me recordo de haver um follow up do género – “Obrigadinho amigos, já encontrámos o Ti Álvaro, estava a comer bocados de madeira e a correr todo nu atrás dos patos no Jardim da Estrela”. Ou seja, a sensação com que ficava era que o número de malucos à solta ia engrossando, sem que se encontrasse ninguém. Mas depois vinha o labrego do Vitinho e ficava tudo bem.

Hoje em dia, já não se vêem anúncios destes na televisão, mas desconfio que isso não significa que deixaram de haver malucos em fuga. O problema é que os malucos que lá aparecem em prime time, são quase todos demasiado fáceis de encontrar, por muito que lancemos preces para que alguns deles possam desaparecer de uma vez por todas.

5 comentários:

  1. Podíamos era convencer o Ti Álvaro a correr atrás deles.


    E daí... é maluco mas não é parvo.

    ResponderEliminar
  2. Tenho saudades desses anúncios. Espalhavam um pouco o terror no coração das crianças.

    ResponderEliminar
  3. Agora estão entretidos a escrever em blogues

    ResponderEliminar
  4. Ora aí está uma perspectiva disruptiva...

    ResponderEliminar
  5. Foda-se, o que me fizeste recordar...HAHAHAHAHAHAHA

    Mak, és o maior!

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.