26.1.11

A necessidade de se ter sido um mau rapaz

O passado de cada um é o passado de cada um e não há problema nenhum com isso, tenha ele sido um passado com malta da pesada ou um passado ligeiramente mais upscale. O problema é que quando se fala dos tempos de escola a imaginação, por vezes, não viaja à mesma velocidade que a coerência, especialmente quando depois de adultos esses passados convergem em caminhos comuns.

“Ah, lá na escola ninguém mandava em mim. Às vezes até entrava nas aulas com a gravata do uniforme na cabeça...”.

Som de buzina irritante, como que a detectar algo errado – Fooooooooon

Gravata e uniforme? Epá, nas escolas em que eu andei a única malta de uniforme que lá entrava por norma era da polícia.

“Bem, vocês nem imaginam o que se fazia ao cavalo do professor de equitação...”

Foooooooon

Não devia ser pior do que o que o irmão do Napoleão fazia ao cavalo que alegadamente vendia lá perto da escola.

“Quando estava no secundário fui à neve para as pistas mais difíceis e o forfait....

Fooooooon

Se não é uma história com sacos de plástico na Serra da Estrela, os manos não vão achar curtido.

“E aquele do filho do embaixador da Hungria que era da minha turma....”

Foooonnn

Se não era chungaria da Pedreira dos Húngaros não vás por aí...

“E aquelas férias no iate do pai do gajo da turma de....”

Fooooooon

Jovem, se é barco e não é cacilheiro a caminho da Trafaria, então a coisa nunca pode ter sido do mesmo calibre...

Os betos terão sido sempre betos, por muito que tentem dar um toque chunga às suas histórias e a malta do universo chunga terá sempre um sal especial para as suas histórias, por muito que hoje em dia desse registo já só lhes sobrem simples memórias. Desde que cada um arrume as suas histórias na prateleira devida, tudo soa melhor.

Da minha parte não me queixo, sempre tive a sorte de só me dar com as pessoas erradas à hora certa e a mioleira suficiente para não ir em outras cantigas que não as minhas. E, embora cante mal que me farte, lá descobri que há outra forma de dar música às pessoas.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.