18.1.11

De perfumis

Tenho um grande respeito por quem teve a brilhante ideia de comercializar perfume. Aliás, vejo essa figura até como um visionário que, prevendo a necessidade futura do uso racional da água, deu uma opção que emana estilo e requinte para aqueles que não pretendam desperdiçar tão precioso líquido em actividades triviais como banho.

Bem vistas as coisas, tomar banho qualquer um pode tomar e, ainda por cima, desde que não abuse demasiado da sorte no que toca aos odores corporais, pode dizer que toma sem na realidade o ter tomado, tomando assim os outros por parvos.

Já com o perfume, a história é bem diferente. Cada qual tem a sua marca e um banho na mesma requer investimento que ofusca qualquer duche de trazer por casa. Seja Marvin Klein, Giorgio Armandi, Carlinha Ferreira, Doce&Armanda ou o diabo a quatro, a sua presença é inconfundível e ninguém pode dizer, ao contrário do banho, “Ah, este tipo não usou perfume hoje, o Zé porcanas”.

É por isso que eu agradeço, no aconchego do transporte público ou no convívio mais íntimo de elevador pela vossa demonstração de perfumação. Posso nunca vir a saber com que regularidade tomam banho mas, em termos de “eau de toilette” ou “eau de parfum”, nunca porei o vosso afinco em causa.

Até porque palavras leva-as o vento, mas a memória do vosso cheiro é bem mais duradoura.

4 comentários:

  1. My God...
    E o verão ainda vem tão longe!!

    Mas olha que as preocupações com os perfumes são muito antigas. Como sabes, antigamente (felizmente muito muito antigamente) não se tomava banho... a não ser uma vez por ano! E quem era endinheirado banhava-se em perfume para tentar esconder os maus odores corporais... (um horror!!)
    Mas antes como hoje, usar bons perfumes continua a ser um sinal de status!! E quanto mais pequenino o frasco de perfume mais caro ele é...

    ResponderEliminar
  2. a Valsa Lenta do cheiro que perdura?

    ResponderEliminar
  3. Sou gajo para achar piada àquele perfume fresco mas doce que a menina do terceiro andar deixa no elevador mesmo após sair.

    ResponderEliminar
  4. Se há coisa que detesto, e nem sei se isto é possível ou é a minha imaginação a funcionar, é ficar com o sabor de um perfume na boca quando estou perto de alguém que entornou um frasco em cima.
    Ahh também detesto as pessoas que se lembram de ver as telenovelas no seu telemóvel de 3ª geração, quando estou no autocarro, sem auriculares.

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.