24.11.10

Greve Geral de Blogs

Se há coisa que eu gosto de fazer é manifestar a minha opiniãp. Aliás, se as opiniões fossem sindicalizadas, a minha seria uma forte candidata a ser o Carvalho da Silva das opiniões, com tudo o que de mau e de bom isso possa acarretar.

Mas, em dia de greve geral, que vos posso dizer eu que as notícias, a conjuntura e o diabo a quatro não o possam fazer por mim. Nem sequer vou começar com aquela ideia que uma greve, para muita gente é um feriado e pouco mais. As pessoas sempre foram melhores a expressar o seu desagrado na mesa do café e outro tipo de situações sociais do que propriamente num acto formal de greve.
Aliás, há quem defenda que a greve de zelo, embora nem sempre quantificável, é subversivamente mais eficaz do que a oficial. Mas, por esse prisma, eu conheço quem faça greves de zelo e falta de produtividade há anos e às tantas já não se percebe o que é desempenho e o que é greve...Se calhar o objectivo é esse.

Posto isto, se quero aproveitar o tema e, como é costume, dizer pouco que se aproveite, podia apelar à greve geral de blogs. Argumentaria que a injustiça grassa na blogosfera, que uns têm os leitores, a fama, os passatempos e outros não têm nada. Que aqueles que melhor escrevem ou que têm as melhores ideias nem sempre são os mais lidos e que a linkagem e referenciação entre blogs contribui para o perpetuar dessa desigualdade.

A bem da greve geral de blogs alegaria ainda que há uma falta de valores, que toda a gente fala muito sobre nada e que as raízes da maledicência destroem o que de bom e aprazível a blogosfera possa ter. Que há censura nos comentários e que há tantos blogs que precisam de comentários como de pão para a boca, tal como há bloggers que estavam mesmo era a pedir um pão na boca.

Podia dizer que há gente a inquinar o mundo virtual, que isto está tudo mal e, pelo meio, conseguir culpar o governo. Podia dizer que se cria um universo cor de rosa no monitor só para não ver o negrume que vai lá fora. Que há bloggers que não têm conteúdos mínimos para sobreviver ao fim do mês e choram em silêncio, ao passo que outros esbanjam conteúdos de fazer chorar.

E depois diria para não se publicar nada e que era uma prova de força e as pessoas iam ter que fazer alguma coisa. Mas depois percebi que isso podia implicar com o facto de “essa outra coisa” ser trabalhar, em vez de estar a usar o tempo para fazer render blogs.

Foi então que percebi que a coisa não ia funcionar por conflito de interesses. A não ser que os blogs em greve se fosse manifestar todos para o Facebook. E aí já dava para não perdermos tempo a trabalhar, sem prejudicar ninguém...

5 comentários:

  1. E ninguém me pára esse país?
    Todos (menos os velhos e os inválidos) deviam ir para a rua gritar! Parar o país. PARAR!
    ps-Ah e meus queridos lamento informar mas greve geral de blogs é só estúpida e não resolve mesmo nada, é assim como ter engolido um frasqeuinho de mata ratos e ir chupar um Dr. Bayard a ver se aquele mau travo na boca passa...

    ResponderEliminar
  2. Mak, pelos vistos os leitores que te entendem estao de greve, a julgar pelo primeiro comentário ao post. Ahahahah

    ResponderEliminar
  3. Mea culpa, odeio quando o corte e recorte me tira a graça :)

    (e silencio por silêncio)


    PS - E sim, os índices de ironia eram elevados, só que eu não afixo os níveis à porta para a ASAE não me fechar o tasco.

    ResponderEliminar
  4. Eu salvei-te a honra do convento, leia-se blogo-tasco. Agradece-me, vá.

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.