15.11.10

Dois minutos que se podem ter de volta

Convencionou o grande livro da boa educação e da etiqueta que é recomendável cumprimentar as pessoas pela manhã, quando nos encontramos pela primeira vez. Nada a opôr nesse aspecto, embora desconfie que exista muita gente que, nesse livro, não passou da capa.

No entanto, a coisa fia mais fino quando se trata da chamada conversa de circunstância, para a qual, em média, possuo cerca de 2 segundos de paciência. Acreditem que, e quem me conhece sabe que é possível, quando disposto a isso sou capaz de manter uma conversa sobre nada durante horas, se sequer suar do bigode.

Só que há gente que gosta de uma saudação matinal com atrelado, não porque se preocupe ou lhe interesse, mas porque sempre são uns minutos que se queimam a encher chouriços. “Então esse fim de semana?”, “Olha, afinal só choveu à noite”, “Tenho uma unha encravada” ou “Hoje acordei sem ramelas” são exemplos de conversa que não vai a lado nenhum.

Por esses e por outras, salvo excepções, tenho frases chave para interlúdios matinais e que, ao longo dos anos me têm ajudado a fazer muitos amigos.

“Bom dia, tudo bem. Ah, este “tudo bem” é uma afirmação, não é preciso responder.”

“Olá, bom dia. Espero que esse fim de semana tenha sido bom e que guardes a resposta para alguém que realmente queira saber.”

“Bom dia minhas senhoras. Hoje estão tão bonitas que seria um sacrilégio desperdiçarmos este momento de contemplação com converseta.”

“BOM DIA. DESCULPEM ESTAR A FALAR ALTO, MAS PASSEI A NOITE A DISPARAR UMA ARMA E FIQUEI MEIO SURDO.”


Posso parecer rude, mas ao valorizar o meu tempo, valorizo o dos meus interlocutores. Assim podem passar esses dois minutos a falar de pessoas rudes como lenhadores, em vez da habitual conversa de lamber balcões.

3 comentários:

  1. Ainda hoje de manhã estive a ter a tal conversa de circunstância... ai meu deus, a senhora falava e era ver-me a começar a subir as escadas. :OP

    ResponderEliminar
  2. De vez em quando consigo manter conversas de circunstância. Regra geral, isso acontece enquanto o cão anda a tentar descobrir o melhor local para fazer as necessidades fisiologicas dele. Conversa de merda, portanto. E quando saio a rua de manhã e levo com aquele frio nas trombas, a ultima coisa que me apetece e dar os bons dias a quem quer que seja. Bom, se estiver um sol radioso e calor, o sentimento e o mesmo.

    Os bons dias deviam dar se no final do dia.

    Perdão pela falta de acentos. Descobri que cafe e teclado não combinam muito bem.

    ResponderEliminar
  3. Concordo com isso do cumprimento ao final do dia. Antes disso, é especulação.

    Não há problema com os acentos, quando eu me preocupar em por conteúdos interessantes, aí sim, subo a exigência...

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.