19.11.10

Desculpa, mas não tens piada.

Durante a nossa vida, existem coisas que temos dificuldade em explicar às pessoas. Às vezes, são coisas corriqueiras, seja como se vai do Hotel Zenit para a Maternidade Alfredo da Costa, as razões que nos levaram a sair à rua com uma camisa amarela às bolas cor de rosa ou os princípios da física quântica. Mas, noutros casos, são matérias que mexem com a vida das pessoas.

Se é claro que nunca será fácil explicar, ainda que seja evidente, que alguém está a ficar gordo/a, careca ou que aquela nórdica esbelta nua deitada na cama é apenas uma sem abrigo que encontrámos encharcada na rua e que acolhemos sem outra intenção que não a da pura caridade, mais difícil ainda é explicar aquilo que tem a ver com as características humorísticas de alguém.

De um lado temos os receptores, entre os quais é difícil encontrar quem reconheça “Ah, eu tenho um fraco sentido de humor” ou “Epá, eu não tenho propriamente um faro apurado para o humor”. É muito complicado explicar a alguém que não tem sentido de humor, pois se o tentas fazer de modo engraçado, a pessoa não percebe a piada e se o tentas fazer a sério, a coisa passa a ser uma lição sobre humor. E, se há coisas que as pessoas não gostam, mais até do que não perceber uma piada, são lições em que lhes falam das suas limitações no campo do entendimento humorístico.

Do outro lado, o bico de obra – gente que tem a mania que tem piada. Sem recurso à violência, é quase impossível explicar-lhes que isso não é bem assim. Primeiro que tudo, se lhes dissermos “Epá, não tens piada”, eles vão acusar-nos de sermos as pessoas que descrevi no parágrafo anterior. Se fizermos o apelo de grupo “As pessoas não te acham piada”, para além de querer saber nomes, se for preciso o pseudo-engraçadinho vai confrontar toda a gente e haverá sempre gente que sofre de falta de frontalidade. Finalmente, o grande problema – ele vai mostrar-nos que tem piada o que, não a tendo, se vai certamente tornar num calvário.

E é por isso que, a bem da sanidade mental, há coisas que não se devem explicar, tal como a piada que este blog podia ter.

5 comentários:

  1. Ai era suposto este blog ter piada??!Não sabia...;)

    Maria Amaral

    ResponderEliminar
  2. eu disse "podia", não disse que tem...

    ResponderEliminar
  3. De facto, " há coisas que não se devem explicar"... Mas existem sempre os blogues, onde nós podemos dizer aquilo que não devemos explicar:) Falo por mim!

    ResponderEliminar
  4. Eu acho que tu não tens piada.

    (Agora tu ias buscar um pau, não para me bater, mas para mostrar que sabes fazer piadas sobre paus.)

    E ia ser giro.
    Faz lá.

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.