26.10.10

Cartas abertas, quem as não tem

Antes de mais, devo dizer que nunca recebi uma carta aberta, embora tenha tido uma outra encomenda que já chegou meio rebentada. No entanto, sempre achei o conceito da chamada “carta aberta” interessante. A ideia de uma carta em que se põe determinado assunto em pratos limpos ou em que nos dirigimos a um grupo interessado no que temos a dizer, só por si justifica que esta carta seja aberta. Até porque se ficasse fechada nunca saberíamos o que essa pessoa teria para não dizer e, não tendo endereço, seria rude abri-la só para a tornar aberta. Por outro lado, se a carta é aberta e não o foi por nós, dá ideia que alguém já andou a espiolhar correspondência alheia. Como podemos depois confiar no que quer que seja que é dito na carta?

Fará também sentido começar a falar num email aberto, num post aberto ou num status de Facebook aberto?

Como vêem, é fácil criar uma qualquer problemática idiota a partir de um assunto que até podia ser interessante. Basta ser abordado por gente dada a abusar da aguardente de medronho.

6 comentários:

  1. Olha, por falar em carta aberta, eu ainda não recebi o teu postalinho fechado. Onde anda?

    ResponderEliminar
  2. O Mak tarda, mas não falha. Vai por mim, que o conheço...

    ResponderEliminar
  3. Eu não gosto que leiam o que é MEU, portanto não gosto da ideia.

    ResponderEliminar
  4. mas afinal das contas recebeste o meu email aberto? aberto de bracos abertos e morada escarrapachada, porque nunca obtive resposta e isso quase que sao maus modos!!! alias se nao soubesses onde moro, fazia te ja a folha!

    ResponderEliminar
  5. Tal como disse, pelo exagero de postalada, a coisa está a demorar um pouco mais do que o previsto, mas seguirá caminho :)

    ResponderEliminar
  6. Mui grata e expectante.....

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.