28.9.10

F de Farafantão, com ajuda do tio Tarzan


Na realidade, não sei se esta palavra existe. Mas, também não sei se vocês existem e isso não me impede de continuar a escrever, por isso vamos colocar estes dilemas metafísicos de parte e seguir com o Makcedário.

A primeira vez que ouvi a palavra “farafantão” foi num momento mágico que marcará para sempre a minha existência. E não, não havia pôr do sol idílico, juras de amor, nem sequer uma PlayStation à mistura – Foi a meio de uma entrevista com Tarzan Taborda.

Andava eu noutra fase da minha carreira, quando pensaram que eu seria o indivíduo indicado para entrevistar personagens de lucidez questionável ou, no mínimo, estranhas. E foi assim que me dirigi à clínica de Albano Taborda, vulgo Tarzan, onde me aguardava um senhor de bata branca e mãos que pareciam troncos.

Foram perto de 2 horas de conversa épica, com muita dupla patada, muito combate de vale tudo e desafios, muita façanha que incluia gente a atirar-se de coqueiros e segundos balcões de anfiteatros à passagem de Tarzan, muita estrela de Hollywood e outras histórias de um indivíudo que, acima de tudo, era genuíno. E, pelo meio, muito farafantão.

Percebi logo que Tarzan utilizava farafantão como uma espécie superlativo de fanfarrão, palavra que também usava com regularidade. Ainda assim, questionei-o “Tarzan, o que é para si um farafantão? É um tipo armado em vilão?”. Riu-se e respondeu com um ligeiro sotaque beirão que ainda se notava “Nada disso, o vilão a sério é aquele que não parece, que até parece um amigo. Já o farafantão não passa de um fanfarrão da pior espécie, daqueles que nem merecem uma dupla patada, só mesmo à chapada”.

E a conversa continuou, comigo maravilhado e o Tarzan sensibilizado por haver um rapazote com tempo para o ouvir. Infelizmente, não sei o que é feito das mini-cassetes onde gravei a coisa, restam-me as impressões da transcrição. Mas, o melhor de tudo é que, cada vez que me cruzo com gente lorpa, que pensa que sabe tudo e fala sempre à boca cheia, há sempre uma palavra que vem à tona.

Pobrezito, mais um farafantão até à quinta casa, digo eu e já dizia o Tarzan Taborda.

5 comentários:

  1. Até podias ter tido um rasgo de génio, mas com essa foto de entrada, uma pessoa fica um bocado em choque.

    (Permite-me um sugestão: porque não melífluo para a letra "m"?)

    ResponderEliminar
  2. Eu não existo. Ainda ontem olhei para o espelho e não vi nada.

    ResponderEliminar
  3. Sim, inventaste uma palavra...mas tu é que sabes "pázinho", o dicionário é teu. beijos

    ResponderEliminar
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  5. Lorpa também é um "palavrão" bonito para o teu dicionário, oh Mak

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.