16.9.10

Abrunhosa-mos

Não sei qual é o método de composição do Pedro, mas sei que ele tem queda (ok, piada fácil incluída) para a amálgama de palavras, por vezes de ligação duvidosa. Mas, ao comentar ontem no blog deste rapazolas, apercebi-me que uma letra à Abrunhosa é tudo o que eu precisava para me livrar de algumas palavras que vão sobrando dos textos que vou fazendo, simulando uma certa índole poética.

Aproveito ainda que estou a dever a um composição lírica a cerca de 200 almas sem rumo, que andam por aqui, e mato dois coelhos com uma queijada (dura, obviamente).


Um polícia sinaleiro,
Uma laranja espremida,
Isto só faz sentido,
A gente toda f#”%$a.

Uma corrida na praia,
O colesterol é lixado,
Fui para a cama,
Com uma chave inglesa a meu lado.

Coração que abana,
Uma pizza bacana,
Olho para o IRS atrasado,
Está tudo desfocado.

Seguidores no Facebook,
É tudo alucinado,
Aqui cabe um pimento,
E mais uma estrofe marada.

Podia continuar o dia inteiro,
Uma estufa de plantas,
Uma alma num canteiro,
Tu a leres isto ainda me espantas.

Lontras que fogem,
Sentimentos que me encantam,
Um T2 em Xabregas,
Eu dou a música e vocês...
Dançam.

1 comentário:

  1. Eu curto rimas fáceis. Mas geralmente faço ABCB, as outras não me soam bem. Mas estas, com o ritmo desse gajo assim são mais fáceis. Deixa lá ver uma letra à Abrunhosa:

    Não canto um caralho
    não tento sequer
    Queria ser um bandalho
    Comer uma mulher.

    Olha, funciona.

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.