13.8.10

A suspensão da descrença


Para além dos pimentos, há uma coisa que me atormenta: a desconfiança geral com que encaramos o nosso semelhante. E por nosso entende-se o vosso que, para bem da paciência de muita gente, é bom que não se encontrem semelhantes a mim.

Traço geral, somos desconfiados no quotidiano, muitas vezes por defesa pessoal e, se eu fosse abordado por mim, também compreendia essa reacção perfeitamente. Mas, há no meio literário/cinematográfico/artístico um conceito muito interessante que pomos em prática regularmente na nossa relação com estes meios, mas muito menos no que toca à nossa vida real.

Refiro-me ä suspensão da descrença. Quem quiser saber mais sobre o assunto, que clique no link, quem quiser uma definição básica – é a nossa capacidade de nos deixarmos levar por um argumento/história que vá para além daquilo que são as nossas convenções racionais. Por exemplo, num filme, “Ah, isto é tudo falso, vampiros não existem” é secundarizado pelo nosso envolvimento com a história, à qual damos mais valor. Sacrificamos a racionalidade mais óbvia em favor da satisfação que nos é dada pela vivência da história.

Se conseguíssemos usar mais vezes a suspensão da descrença na nossa vivência diária, certamente tiraríamos mais gozo de certas situações da vida.

E não digo isto por estar interessado na vossa satisfação pessoal ou por um súbito acesso de bondade epidémica. É que eu tenho muita coisa para vos tentar impingir e custa-me que estejam sempre desconfiados em relação à minha pessoa. Afinal de contas, eu só quero os vosso bens.

6 comentários:

  1. Não percas tempo comigo, não tenho bens nenhuns, a menos que me queiras ficar com os sapatos.

    ResponderEliminar
  2. Interessante.
    Tenho vindo a praticar esta suspensão da descrença ao longo da minha vida - sem nunca perceber que se tratava de uma coisa real e efectiva que até possui um link no wikipedia.
    Os que não capazes de SD (podemos abreviar assim, não é?) são os que têm medo de ser incoerentes, infantis. Mas não compreendem que se tornam cinzentos. O que é muito pior.

    ResponderEliminar
  3. O uso de um trema tem influencia em toda a leitura deste post?

    Lá vou eu perder umas horas na wiki, esta não conhecia.

    ResponderEliminar
  4. Se isso me valorizar posso dizer que é um esboço que fiz nas últimas férias...


    ...mas a expressão sacada na net algures também me ocorre.

    ResponderEliminar
  5. ahahahah. Sempre é uma escolha com mérito!

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.