19.8.10

A panca do canto gregoriano


As modas são uma coisa engraçada e não me refiro especificamente aos desfiles Victoria’s Secret. Do nada, aparecem no nosso espectro coisas que não lembram ao demo e que nos tentam impingir como sendo cool, que nos vão fazer parecer cool ou que, no limite, convivemos com pessoas que sabem o que é estar na moda e ser cool.

Se no campo da roupagem, há todo um universo profissional por detrás disto, ao longo dos tempos vamos olhando para trás e percebendo que há coisas que não são nada cool, mas que já estiveram na moda.

Deixemos os tamagochis de lado, os bonsais e mais os 30mil gadgets que aqui e ali encontrámos nas mãos de gente que julgávamos mais lúcidos. Deixemos tudo e um par de botas que possa até fazer sentido neste capítulo...

ENTÃO E A PORRA DAS ADAPTAÇÕES EM CANTO GREGORIANO?

Conheço muito pouca gente que tenha ouvido canto gregoriano a sério. Por outro lado, conheço muito mais gente que já foi ao gregório o que também não é dignificante. A verdade é que, na saga dos Enigma e dessa corja, em que um gaja com voz de cama nos debitava palavras sedutoras, com um grupo de monges a cantar ao lado da cama, houve todo um granel de gregorianos a tentar fazer uns trocos.

Associar figuras de monges a estrelas da pop já me parece difícil, até porque raparem o cabelo depois de beberem aguardente de medronho ou sairem à rua todos nus debaixo do hábito já é um ritual diário que não faz vender tablóides. Mas, adaptar Celine Dion? Gravar o Lady in Red ou o How Deep is Your Love em claustro mix? (o link leva directamente ao Inferno, cuidado)

Alguém que não passe os dias a lamber paredes me explica o encanto de ouvir os gregorianos a cantar, sem ser numa igreja e em Latim? Eles, que são crentes, não temerão a fúria do Senhor? E, se se trata de gente a imitar monges, a punição não deveria ser redobrada e incluir corte de genitais com facas ferrugentas?

E as pessoas, que compraram disto de embarda, levaram monges ao topo das tabelas e se sentavam em casa, num fim de tarde de Verão enquanto pensavam “Ah, agora vai mesmo bem é uma limonada fresca e uma faixa de Gregorian Masters a cantar Phil Collins”. Ainda são vivas? Não ganharam juízo e saltaram da varanda ao som de “It’s now or never” pelos Gregorius Supremus?

Não devia ter pensado nisto. Agora enervei-me e vou ter que ouvir Panpipe Moods para me acalmar.

6 comentários:

  1. Ahahah muito bom, caro Mak. Lembrei-me logo daquela piada do "Não está frio, nem está calor. Está AMENO ( ler com tom de voz gregoriano)".

    ResponderEliminar
  2. Se tiver lambido só da parte da manhã, ainda posso dar opinião?

    ResponderEliminar
  3. :)))) muito bom mesmo. O pior foi que as gargalhadas me provocaram tal ataque de tosse que ia indo ao gregório. (tb estou com uma cabra duma constipação).

    ResponderEliminar
  4. (Por acaso nunca mais tinha pensado nisso, mas tenho uma prima que arrancava a cal das paredes da casa da nossa avó e comia... e tornou-se numa adulta aparentemente normal... ou não? A dúvida instalou-se.)
    Ai homem, pipes só pra fumar ;)

    ResponderEliminar
  5. E nunca ouviste o Nasce Selvagem? Já não bastava existirem os Delfins, alguém os adaptou a canto gregoriano. No entanto, a minha favorita continua a ser aquela.."uma flor, uma pequena flor", sabes? Devias ouvir essa, enriquecer-te-ia o espírito.

    ResponderEliminar
  6. Celine Dion já é uma espécie de som gregoriano. Pelo menos é esse o efeito em mim. Talvez faça sentido...é uma dose mais concentrada, tipo aquele antibiótico em caixas de 3 comprimidos.

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.