20.8.10

Clássicos de Verão 6 - Desconfiem de quem sofre de adultismo

Nesta altura eu ainda era jovem e nem sempre escolhia as melhores palavras. Onde se lê "desconfiem" use-se "cilindrem".

Janeiro 2009

Há pessoas que encaram “ser adulto” como se fosse um emprego. Coisa séria, bem regrada, com um manual de etiqueta que é suposto cumprir para não ficar de fora. Afinal de contas, somos todos adultos não é o que se costuma dizer entre adultos.
Ora a mim irritam-me as convenções. Talvez por isso faça o que faço, num ambiente não tão formatado como a maioria das coisas no mundo dos adultos (mas o vírus pega-se). Acho que só deixam de ter um lado mais infantil, pelo menos em parte, as pessoas que afogam a criança dentro delas (e isto não é um processo abortivo condenado por lei) com golfadas de comportamentos ditos adultos.

Ter maturidade e ser adulto não é a mesma coisa. A maturidade é um processo natural, o ser adulto é uma convenção social de coisas que “é suposto fazer”. Posso ser uma pessoa informada e ainda assim não ter que debater ao almoço pelo menos três tópicos nas notícias do dia. Posso gostar de fazer trocadilhos imbecis, sem isso significar que não sei fazer mais do que isso. Posso “ser crescido”, sem ter que ter uma postura grave e ponderada que, ainda assim, não é exclusiva de pessoas com carácter.

Que seja a personalidade de cada um a ditar comportamentos e não as convenções sociais. Só por si o termo convenção já denuncia um grupo de chatos unido para tomar decisões que não lhes competem.
Posto isto, vou ali praticar a eutanásia nuns quantos “adultos” que já morreram e ainda não deram por isso.

4 comentários:

  1. Vê lá não apodreças de tão maduro que estás.

    ResponderEliminar
  2. Eu sofro do síndroma de Peter Pan, e quando tento ser adulte nem sempre consigo...
    Mas já descobri que viver no mundo das pessoas grandes é aborrecido e dá muito trabalho

    ResponderEliminar
  3. Eu ainda não disse de que lado estava....

    Qt a Peter pans, já falei disso mais atrás ;)

    ResponderEliminar
  4. Eu lembro-me, e não mudei nem um niquinho...

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.