10.8.10

Cenas da vida de Jesus da Reboleira

Jesus carregava a cruz de ser Jesus. Não era o da Nazaré, não era o do Benfica, era apenas o Jesus da Reboleira. Desde pequeno que tinha o seu próprio Calvário, ouvindo piadas em loop na escola: "Jesus, multiplica-me o lanche", "Jesus, transforma-me o copo de água em Coca-cola", "Jesus, apresenta-me um gay mago".

A sorte também não o ajudava. A sua mãe andava no ataque, pelo que cresceu também a ouvir piadas do género "Ah, Jesus é filho de Deus...Orlando, Ramiro, Manolo, dois turistas de Newcastle e do Faísca". Tudo suportou, afogando muitas vezes as suas mágoas comendo o seu bolo favorito, coisa que tinha que fazer às escondidas, uma vez que eram madalenas. E ver Jesus a comer uma madalena já dava pano para mangas...

Seu pai ofereceu-lhe uma vez um cão chamado Lázaro. Por uma vez Jesus quis ser como o outro, gritando uma vez e outra "Levanta-te e anda Lázaro". No entanto, não é fácil para uma criança perceber que isso não funciona quando o pai lhe oferece um animal empalhado.

Já na escola secundária o Dr.Pôncio, director da escola, nada fez para evitar a sua expulsão, quando um colega chamado Herodes o acusou de bater no seu primo Eugénio.

No seu primeiro emprego como jardineiro da Câmara, o presidente Judas despediu-o depois de se ter recusado a cortar umas figueiras com que este embirrava. Uma vez, estando com o copos, tentou caminhar sobre a água e a coisa não correu bem. Pudera, estava no Oceanário

E assim corria a vida a Jesus da Reboleira que, por mais que fugisse, não conseguia escapar ao destino de se ver ligado pelo nome a uma história que não era a sua. Depois do parco milagre de ter transformado alguns euros em diversas cervejas, estava sentado no passeio quando foi abordado por um indvíduo de túnica:

"Porquê essa cara Jesus?"
"É mais, porquê este nome...mas o que é que isso te interessa".
De repente, surgiu uma luminosidade estranha em volta do indivíduo e a sua voz ecoou pela rua deserta.

"Porque carregas o meu nome e a tua vida tem assim um paralelo à minha." Terminou com um sorriso bondoso, capaz de comover o coração mais empedernido.
Jesus, o da Reboleira, levantou o olhar e levantou-se, com um sorriso incrédulo. "És mesmo tu Jesus?". "Sou mesmo eu, Jesus".

"Posso fazer-te uma pergunta?" arriscou o oriundo da Reboleira.
"Claro, desde que não seja sobre os Mistérios da Criação e a vontade do meu Pai."
"Nada disso, é uma coisa mais simples. Queria perguntar-te se aquilo de dares a outra face, acontecesse o que acontecesse, era verdade?"

"Foi, é e será" A resposta de Jesus, que não o da Reboleira, teve o toque divino que só ele conseguia dar.

"Ah" disse Jesus da Reboleira "Então não levas a mal isto", disse ao mesmo tempo que lhe afinfava um soco no nariz. Combalido, Jesus olhou para a sua túnica e viu um fio de sangue. "Epá, esta estava lavadinha".
"E vem cá confraternizar outra vez, que apanhas mais" gritou Jesus da Reboleira, afastando-se pela calçada.

Era o que mais lhe faltava, uma vida inteira a levar com a mesma cassete, para depois ainda ter que gramar espectáculos ao vivo.

11 comentários:

  1. Porque é que tu és assim?

    [agora, fizeste-me rir e ficar bem disposta e essas coisas; não se faz, não se faz principalmente a alguém que sai de casa hoje firmemente convicta de que estaria carrancuda durante toda a manhã porque sim; não se faz ... tss tss]

    ResponderEliminar
  2. coitado do Jesus....

    ele devia ter mudado para um qualquer bom nome romano e acabava-se logo a brincadeira

    ResponderEliminar
  3. Ri-me com a estória e adorei o final. E lembrei-me toda, que talvez não seja assim tão diferente :) http://letras.terra.com.br/chico-buarque/45147/

    ResponderEliminar
  4. Muito bom, meu caro.

    (faltou aquela cena em que Jesus da Reboleira é crucificado, mas lá chegaremos...)

    ResponderEliminar
  5. :D Muito bom! Fizeste-me rir com esta história deliciosa! Adorei! :)

    ResponderEliminar
  6. Ai Jesus homem! O que eu já me ri!

    ResponderEliminar
  7. ...faltou também a parte em que isto é transformado em filme e aparece a Soraia Chaves e o Nicolau Breyner algures.

    Gostei, está muito bíblia-para-crianças meets Monthy Pyton.

    ResponderEliminar
  8. @ Maya - Eu sou assim, porque não tomo a medicação. Senão seria bem pior...

    @ Mal Edu - Os romanos também eram frescos, então o tio Calígula...

    @ Leonor - O Chico tem muita matéria prima de categoria, tanto audio, como escrita :)

    @ Pipoco - Ah, meu caro, mas entraríamos aí na dicotomia irónica de Jesus, que passou a sua vida a pregar, acabou a mesma pregado...

    @ Narizinho - De facto, este blog é uma anedota gigante ;)

    @ Rosa - A Soraia Chaves, neste blog? Só se se tiver perdido. Quanto à inspiração bíblica, eu serei o novo Padre Borga.

    ResponderEliminar
  9. Tu bem tentas não ser, mas és artista. As frases perfeitamente engatadas umas nas outras e os acessos típicos da falta de medicação, dão num dos teus melhores textos. Colei.

    ResponderEliminar
  10. Muito, muito bom.
    Cenas do próximo capítulo:
    Jesus da Reboleira, muda-se para o Borel e para celebrar, prepara jantarada lá em casa, mas põe os pratos todos do mesmo lado da mesa...

    ResponderEliminar
  11. e eu achando que já tinha lido o mais divertido em Caim...

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.