21.7.10

O efeito de Forer ou a razão porque há quem acredite em tudo


Há quem acredite que é possível ler o futuro nas borras do café ou que é possível ler alguma coisa de jeito neste blog e, vai daí, é fácil chegarmos ao Efeito de Forer (ou de Barnum, em honra deste Cardinali do seu tempo).
Para os desafortunados que o mais perto que convivem com o mundo da psicologia, é nas barracas do Psicológico em concertos e afins, acedo a uma explicação – O efeito de Forer ocorre quando uma pessoa se foca unicamente no que quer ou deseja acreditar, marimbando-se para todas as provas que tendem a comprovar o contrário.

Como diria a Alcina Lameiras, se soubesse ler ou até pensar, chama-se a isto validação subjectiva, coisa natural das pessoas, que rapidamente sacrificam a razão, em favor da emoção ou de um pires de tremoços. É por isto que os horóscopos vendem e é por isso que homens e mulheres se continuam a relacionar e a queixar-se sucessivamente das mesmas coisas. Sim, porque a teoria de sobrevivência da espécie é claramente sobrevalorizada.

E, já que estamos numa de paranóias mentais, veja-se o meu exemplo, um mau exemplo portanto. Parece que nasci num dia de transição, do ponto de vista astrológico e até pensei que isso explicasse alguns eczemas nos dedos dos pés, mas parece que não é por aí. Quer apenas dizer que, no dia do meu nascimento, tanto se pode ser de um signo como de outro, dependendo da hora e do ano. Mas, cresci convicto que era de um signo e, quando senhoras melífluas e artistas do candomblé, me perguntavam qual era, eu dizia qual era, sem medos. Vinha logo:

“Vê-se logo. Tem muitos traços disso, vê-se quer na maneira de ser, quer na forma como interagem consigo”. Em conversas de café “Eu vi logo”, “Ui, és desses”, “Epá, sim senhor estava-se a ver”.

Há cerca de dois anos, alguém se deu ao trabalho de verificar e parece que afinal o meu signo não era o que eu pensava, mas o outro que também faz parte do dia. A mim ainda me deram umas dores no estômago, mas foi por causa do abuso do sushi. Mas, para muita gente do meu círculo, desabaram edifícios “Ah, és desse? Via-se logo que havia coisa que não fazia sentido”, “Ah, nunca te vi como A, mas sim como B, tem mais a ver contigo”. E por aí em diante.

Não faço porra de ideia se tenho mais de um signo ou de outro ou do diabo a quatro. Sei que é bastante cool um gajo dizer que tem dois signos. Há sempre quem acredite nisto e em tudo na vida e, como disse o tio Barnum “There’s a sucker for everything”.

15 comentários:

  1. É por tanta gente acreditar em tudo, que eu gosto de em nada acreditar.
    Entretanto à 1 mês, leram-me a "sina" através dos números da minha data de nascimento. Acabei sendo um 9, e que aparentemente o 9 é o fim da linha, estou na minha última vida.
    Acreditar nisto seria o mesmo que acreditar que o Sócrates até é um gajo porreiro!

    ResponderEliminar
  2. Interessante, que cada vez que me falam de signos, pergunto sempre se sabem o que é o efeito de Forer.
    Esse programa da chacha que passa na TVI, dos espiritos e tal, é a mesma história...

    ResponderEliminar
  3. Há sempre alguém que nos tenta endrominar e as pessoas gostam de acreditar em qualquer merdice... até nas borras do café.

    ResponderEliminar
  4. Queres melhor e mais actual efeito de Forer que o do querido "Polvo Paul"?
    Já agora, blog fantástico! :)

    ResponderEliminar
  5. Já agora deixa o link, para eu poder ir espreitá-lo...

    ResponderEliminar
  6. Tudo balelas. Acredito sim, no poder da sugestão. E que há pessoas altamente sugestionáveis, e outras que se aproveitam disso para ganhar dinheiro. Mas claro, sei o meu signo e já estou habituada a ouvir "credo" quando o divulgo :)

    ResponderEliminar
  7. Nada disso. A astrologia é uma coisa muito séria. Por exemplo, eu, na primeira vez que entrei neste blog, vi logo que o Mak tinha dois signos.

    ResponderEliminar
  8. Não é hoje, nem foi ontem, mas obrigado :)

    ResponderEliminar
  9. :) Posto isto, tens razão! Os signos são uma treta, a Maya tem mais queda para a noite do que para o baralho de tarot... e eu sou uma grande parva por achar que aquilo fazia sentido no dia de hoje. Aliás, faz tanto sentido no dia de hoje como fazia no de ontem ou como fará no de amanhã... ou na vida inteira! Porque uma coisa ela têm razão: atitudes inconsequentes têm sempre consequências no futuro.Para o bom e para o mau! É chamada relação causa-efeito! ;)

    ResponderEliminar
  10. Quer-se dizer, para o bom e para o mau há e para o vilão não há nada? ;)

    ResponderEliminar
  11. A minha bola estava embaciada ;-)

    ResponderEliminar
  12. Dia 22 ou 23 de um qualquer mês. Se te lesse mais um bocadinho até era capaz de adivinhar o signo ;-) Só com o jeito que tens para o humor e segundos sentidos, até votava num. Mas até prefiro não ficar aparvalhada com os meus dotes de bruxa e, portanto, vou-me daqui sem vaticinar.

    ResponderEliminar
  13. Se eu fosse escumalha, diria para arriscares. Mas, como sou escumalha da pior espécie, prefiro que leias mais um pouco e danifiques assim as tuas capacidades de modo irreparável.

    ResponderEliminar
  14. Se disser dois ou três, quase de certeza que acerto. Começo pelo primeiro: não vai para um lado, nem para o outro.

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.