9.7.10

Last night a Patton saved my life

Vamos fazer um sumário que o escriba dormiu pouco e o escriba quando tem soninho fica mais irascível:

- A organização do Alive é ursa. No ano em que esgotam dias e passes de três dias, o sistema caseirinho e manhoso de troca de bilhetes por pulseiras é reles e só não deu molho pior, por sorte. Fila tipo gado com pouco escoamento para quem vai aos 3 dias, na hora de ponta do primeiro dia é estar a pedi-las. Só quando a coisa estava a dar para o torto, com gente a esperar mais de uma hora para entrar é que se lembraram que quem tem passe de três dias poderia voltar mais tarde para trocar a pulseira. Entretanto, já tinha convivido com vários sovacos pós-modernos.

- Nos Alice in Chains, não foi só o vocalista original que morreu. Se descontarmos que o novo vocalista parece o Ben Harper que ganhou o concurso de imitadores de Alice in Chains e tem uma tendência para fazer uma pose com uma perna algo suspeita, o resto são só memórias. O Cantrell é o mesmo, mas falta força e o som da banda é um eco do passado que vale a pena só pelas boas memórias dos clássicos e pouco mais.

- Sobre bandas pós-modernas a atirar para o-na-berra-mas-ainda-tens-que-comer-muito-pãozinho: Se Florence & The Machine, pelo pouco que deu para ver, tem ali qualquer coisa e a senhora tem presença, dou XX e LaRoux de borla com o efeito overhype, sem dizer que são maus. Os primeiros têm pouca presença, ligeiramente em piloto automático e pronto, em festival não convencem. Quanto à senhora que já tinha dado duas negas ao Lux, é filha da produção em estúdio e nestes ambientes nota-se sempre a diferença e a coisa fica tremida. Pode ser que se os ouvir com outro barulho das luzes melhore a opinião.

- Kasabian, pronto, é Kasabian. E eu não gosto de andar por aí a chamar Kasabians às pessoas.

- Faith no More é mais que só o Mike Patton, mas o Mike Patton é muito mais que um vocalista. É um espectáculo dentro do concerto. Tinha visto o fim da banda em Lisboa em 98, não vi a reactivação o ano passado, mas ontem estava lá tudo. Pode não se gostar da sonoridade, mas é impossível negar o espectáculo. E quando o artista ainda fala português e dedica um belo tema ao Ronaldo, está tudo dito. E o fatinho branco e sapatinho branco tinha estilo e mostra que partilhamos gostos de guarda-roupa.




* Mais que as bandas e o regabofe musical, os amigos. Bem tentaram fugir de mim, mas não conseguiram. Eu corro bem até em festivais.

8 comentários:

  1. Peço desculpa pela correcção, mas o fato era salmão e não branco =P
    E o senhor dá espectáculo, sem dúvida.

    ResponderEliminar
  2. ahahah

    Bem, tu tens um espírito crítico muito apurado...

    ResponderEliminar
  3. Vi na SIC Radical ontem. Confirmo o fato salmão e o sapatinho branco.

    De facto bandinhas dos miúdos de hoje poderiam tirar um tempinho para fazer um estágio com eles. Com ele mais exactamente. Gajos destes só aparecem de 30 em 30 anos.

    Acrescidos de 2 encores e do facto de terem tocado tudo o que interessava, os Faith no More valiam o preço do bilhete só por si.

    Muito bom. Ver na TV não é o mesmo que estar lá mas é melhor que nada!

    ResponderEliminar
  4. Ah... isso explica o esporádico restolhar de conchinhas... Os teus amigos são rápidos.

    ResponderEliminar
  5. Salmão é um espectro de cor que um gajo a sério só distingue no prato e não em fatos, mas aceito a ressalva...

    A vantagem da perspectiva crítica é que dá para trocar tipo cromos. Já hoje vi disso para todos os gostos.
    E se tive de correr é porque marcar pontos de encontro em sítios da índole "Leitão no Pão" não dignifica ninguém...

    @ Manu - Só não tocaram o We Care a Lot, mas também ninguém levou a mal...

    ResponderEliminar
  6. acho muita nojento agora passarem os concertos/ festivais todos na tv...

    ResponderEliminar
  7. Faith no More foi excelente, mas Florence... ah, Florence... aquilo é uma verdadeira máquina (olha a piadinha fácil).
    Eu vi, ou melhor foi mais eu ouvi, que o meu 1,57m não deu para muito, mas aquilo foi "O" concerto.

    By the way, be me pareceu que andava um maluquinho a correr pelo recinto do festival fora; eras tu? :P

    beijos

    ResponderEliminar
  8. Mak, esqueceste-te que roubaram o sapatinho ao ciderelo ? "suas bestas", a acompanhar o fatinho salmão, o Mike trouxe o peúgo turquesa chocking !!!
    FNM levou-me o ano passado ao SW, este ano a Algés e eu que me tinha reformado de musica em terra batida, estive lá bater outra vez !
    Florence e XX vi em bicos dos pés só não percebi pq é que a porra dos ecrãs estava ao nivel do palco, chamar ursa à organização é gentileza a mais...

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.