15.7.10

Estou mesmo, mas mesmo mesmo mesmo, a chegar

Estou mesmo, mas mesmo mesmo mesmo, a chegar

Segundo elevados padrões científicos desenvolvidos por mim, enquanto passava férias numa das luas de Marte, a frase “estou a chegar” é das mais ditas por gente que não está efectivamente a chegar onde quer que seja. Há algum dispositivo em nós, ao género dos que estão nas paragens dos autocarros a dizer quantos minutinhos faltam, que acha que ninguém vai notar se o tempo que damos e o que efectivamente se passa não são muito parecidos.

“Estou quase aí”, “Dois minutos e já aí estou”, “Estou mesmo, mesmo aí”, “Já quase que te estou a ver” ou até, para os mais bélicos, “Estou aí num tirinho” são variações muito utilizadas por gente que trabalha num paralelo temporal que transforma dois minutos em quinze, vinte, meia hora ou um calvário de espera.

O que eu não sei (apesar de já me terem chamado atrasado muitas vezes, sempre presumi que era mental) é como é a turma do quase quase não se apercebe que isso é trampa a dobrar para quem espera, pois não só tem de esperar, como ainda fica com a nítida noção que está a levar uma tanga do pior. E, às vezes, nem a esperança de regabofe à antiga, recebimento de elevadas somas em dívida ou troca de cromos de Panini são incentivos que cheguem para compensar os atrasados da vida.

Não querendo eu incentivar tal prática, a não ser que por incentivo se entenda um pau com pregos espetado no meio da testa, uma dica: quando dão essa tanga, não quantifiquem minutos, nem utilizem muitos conceitos de proximidade. Ex: “Epá, já não falta muito”. Quantificação de tempo dá origem a quantificação de atrasos e proximidade dá origem a debates semânticos sobre “o teu quase” e o “meu quase”.

Porque estou sempre atento às vossas necessidade, vou passar a aplicar o mesmo em relação aos meus posts. Adivinhando eu que, por esta altura, alguns de vocês já perguntam: “Então, esta trampa, nunca mais acaba?”, respondo sucintamente:

“Está mesmo, mesmo, mesmo a acabar”.

Depois, acaba mesmo.
E assim, já podem ir esperar para outra freguesia.

5 comentários:

  1. Irrita-me que se atrasem. Irrita-me esperar. Irrita-me ainda mais que me façam de parva e me digam "estou mesmo mesmo a chegar".

    ResponderEliminar
  2. I'm coming... I'm coming...

    ResponderEliminar
  3. Isso ja está instituido, só temos de aceitar que a frase "sim, já tou a caminho." tem de ser lida como "ainda não saí de casa sequer, deixei-me tar aqui a engonhar naquela que tinha tempo não é por mal, tou agora a apanhar as chaves do carro e daqui a 10 minutos no máximo tou a sair."

    ResponderEliminar
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  5. Estou quase quase a comentar este post como deve de ser.

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.