27.7.10

Bloqueadores de conversa

Ela (fresca e jovial) – Ai, adoro cantar no banho, sei lá, é daquelas coisas que já fazem parte do meu ritual diário.

(gajo com ar de quem toma poucos banhos ri-se por perto)

Ela (sentindo-se o centro das atenções, rejubila) – Estás a rir-te, mas também tens ar de quem gosta. Diz lá a verdade, tu cantas no banho, não é? (ler esta última parte com aquela voz que certas mulheres fazem, como quem fala com um bebé)

Gajo – Não, no banho não canto, eu toco-me.

Riso atrapalhado de quem não percebe se aquilo é piada ou a sério. Riso não atrapalhado de quem sabe que o que disse é dúbio o suficiente para não ter que se justificar. Fim de conversa.

Mak observa tudo isto de perto e olha para o seu amigo com misto de apreciação e pena. Ainda há esperança de não ser o traste mais intratável à face da Terra.

7 comentários:

  1. Isto é como no MSN, se calhar para o gajo ela é uam chata portanto vá de a bloquear. A diferença é que no chat ninguém o vê ou ouve. :)

    ResponderEliminar
  2. Sabes o que se diz da esperança...

    ResponderEliminar
  3. Toco-me? ahahah

    Essa é FANTÁSTICA.

    ResponderEliminar
  4. Eu vejo aí uma reposta/piada bem oportuna.

    ResponderEliminar
  5. O remate seco do rapaz é, de facto, desoncertante. Mas temos que reconhecer que a moça não teve inspiração para "contornar a situação".

    ResponderEliminar
  6. Sim, havia respostas dúbias e menos dúbias, que poderiam ter sido dadas na maior das calmas e descontações :)

    ResponderEliminar
  7. Ela (se fosse eu) - Ah sim? Deixa-me ver se adivinho? Pífaro?

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.