14.7.10

Alegoria do pincel

Tirando matéria para ocasionais rebarbados que não resistem a trocadilhos com pincel e uns quantos eclesiásticos viciados em alegorias, não há muito que se aproveite neste post. Pretendia fazer dez linhas em grande estilo, utilizando todos os segundos sentidos e jogos de palavras possíveis à volta de tinta. Mas, quando vi o resultado final, entrei em choco e desisti da coisa, não por ser um troca-tintas, mas por ser fácil de mais.

Quando é para pintar a manta é a sério, se é para ser primário e armar-me em diluente juvenil prefiro não borrar a pintura e arriscar-me a andar de cavalete para burro.

Não gosto debotar as coisas assim na mesa, mas também não me fico por meias tintas. E, sendo assim, se quiserem tintar, tintem vocês.

8 comentários:

  1. oh Mak, isto hoje está a modos que aguado!

    ResponderEliminar
  2. Se calhar ficas melhor em bruto, sem pintura ;)

    ResponderEliminar
  3. Opá, isto é um post de Domingo à noite.

    ResponderEliminar
  4. Se o Natal é quando o homem quiser, imagina o Domingo...

    ResponderEliminar
  5. A páginas tintas, já se fala em bugalhos...

    ResponderEliminar
  6. tinta so se for Robbiallac...o bugalhos? alguem me alcance os compridos...*mais um esforco*...um leite?...*cornos na esquina do criado mudo (a brasileiro)/cabeceira...
    Tinta so se for Robbiallac
    proprio final nome Robbialac e uma especie de onomatopeia do acto de se abrir uma lata nova de tinta para pintalgar a parede. O meu apartamento/ barraca americanoides por acaso precisa de umas tintas, se quiseres vir ate ca dar uma de Robbi avisa.
    Tintol por tintol vai qualquer um...com ou sem
    os comprimidos...*se os encontrar*

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.