30.6.10

A maldição dos segundos nomes

Roberto, Clemente, Hildebrando, Cândido, Venceslau ou até mesmo Libório.

Tenho sorte, nenhum destes é o meu segundo nome. Melhor ainda, nenhum nome do mundo é o meu segundo nome, o que embora possa indiciar que não faço parte da nobreza, indica também que me livrei de anos de tortura e acompanhamento psicológico, pelo menos nesse aspecto.

De facto, estava hoje a cortar as unhas dos pés para dentro de uma chávena cheia de café quando me apercebi de uma coisa – ainda bem que não gosto de beber café. Um garotinho de quando em vez, vá lá, para poder ouvir pela enésima vez a piada do pedófilo ou, mais adequada aos tempos modernos no serviço de cafés - “Não prefere uma garota?”.

Depois de me aperceber disto, apercebi-me que, em Portugal, pessoas que não têm segundo nome são uma minoria, tal como aquelas que não estão endividadas até ao tutano, mas com uma diferença – a culpa, neste último caso, não foi dos pais.
Mas, afinal, para que serve esta história de ter segundo nome?

Primeiro que tudo, serve para os pais e outras figuras de autoridade próximas mostrarem o seu descontentamento quando chamam alguém. “Sandra Carina chega aqui imediatamente” ou “Pedro Bonifácio, eu não volto a chamar-te”, tem certamente outro poder.
Depois, serve para alimentar a indústria dos diminutivos combinados, os Zecas, as Mitós, os Cajós, as Micas e toda uma panóplia de nomes que servem para criar mundos paralelos em que outros nomes que não o que vem no BI ganham vida. Como se os diminutivos, por si só, sem combinado, não chegassem…

Mas, pelo que vejo, o segundo nome também uma política de dinamização e incentivo à esquizofrenia. Temos gente que é tratada por Xana, cujo nome na realidade é Alexandra e que mais tarde se vem a verificar que é o segundo nome, sendo afinal o primeiro Carminda. Entretém, dá tema de conversa e, em muitos casos, permite andar na carteira com 10 cartões diferentes, com nomes diferentes e serem todos de uma só pessoa.

Já nem vou falar de que serve para as pessoas se queixarem. Porque mesmo os que se queixam, depois dão segundos nomes aos filhos e, se for preciso, às partes íntimas do seu corpo.

Para mim, um segundo nome fazia sentido se o primeiro se gastasse, do género aos 38 anos, o Desidério Silvino achou que já bastava e iria deixar cair assim o Silvino. Ou, se permitisse levar uma vida dupla de vida legal, bastando invertê-los, ao estilo de “Bom dia, estou a falar com a Nídia Desdémona, estrela porno e a Desdémona Nídia, peixeira em Matosinhos?”, “Sim senhor, somos eu”. Creio ainda que o segundo nome, em si mesmo, não se deve sentir feliz. É o eterno segundo e, mesmo quando não é na utilização, nunca deixa de o ser. As pessoas estão sempre a dizer que vão deixar o outro, mas são preguiçosas demais para o fazer. A velha história…

Os segundos nomes foram, traço geral, inventados para fazerem as pessoas infelizes, isolados ou em conjugação. Não sou eu que digo, é o Bonifácio Eleutério.
E para que pessoas como eu não tivessem de andar a divulgar online a forma como cortam as unhas dos pés.

24 comentários:

  1. O meu segundo nome serviu para ser por ele que me tratam quando já existem demasiadas Ana's no local de trabalho. Só aí! Eu sou a Ana, não sou a Rita. :)

    ResponderEliminar
  2. Já congeminei várias formas de retribuir o trauma de me ter sido atribuído o segundo nome que foi dito em primeiro, neste post. Combinado com o primeiro nome parece algo de novela brasileira, mas sem fartos pequenos almoços e dramas da treta.
    Por isso mesmo é que o meu primogénito só tem 3 nomes: o dele, o apelido da mãe e o apelido do pai. Quando ele ouve alguma combinação entre estas 3 variáveis, deve temer o pior. Sim, porque usar os nomes todos de uma pessoa só serve para ditar sentença, exigir imposto ou dar um calduço.

    ResponderEliminar
  3. LOL.
    Por acaso ninguem me chama pelo segundo nome, mas gosto dos meus nomes todos. Ricardo Miguel não é nada mau. e adoro o pormenor das iniciais do meu nome fazerem efeito espelho. rmmr (que é a minha assinatura de marca em quase tudo o que faço) xD.
    Vais fazer um sindicato de pessoas sem segundo nome? xD

    ResponderEliminar
  4. Sabes lá o que já sofri à conta do meu segundo e terceiro nome. Anos de terapia não tratam deste trauma. Tenho a convicção de que os meus pais não me amavam na altura de me dar um nome. Terrible...

    ResponderEliminar
  5. O segundo nome intimida. Deve ser por isso que geralmente é tão feio.

    ResponderEliminar
  6. Eu tenho um segundo nome, mas também tenho um "De" :p
    O "De" fica sempre bem.

    ResponderEliminar
  7. Eu sofro do mal de ter um segundo nome que só é usado quando alguém se zanga comigo. Confesso que faço o mesmo aos outros, por isso, pelo menos vingo-me.
    Mas conheço muito boa gente que só usa o segundo nome porque não gosta do primeiro, o que cria situações engraçadas, por exemplo quando recebem um telefonema no emprego, onde usam o primeiro nome, e ninguém conhece a Miquelina porque lá a tratam por Maria.

    ResponderEliminar
  8. Eu também faço parte da minoria que NÃO tem segundo nome! Graças aos meus paizinhos e ao Jibóia :)

    ResponderEliminar
  9. Os comentários acima estam a deixar-me preocupado. Temo revelar aqui uma grande falha de caracter dos meus pais, que me fizeram o favor de presentear com um inevitável segundo nome, mas - e isto custa-me reconhecer, agora - NUNCA foi usado, nem para me reprimir, nem quando parti a cabeça do meu irmão, nem quando deitei fogo ao peluche em cima da cama. Será que fui mal-amado? Ajuda.

    ResponderEliminar
  10. O meu 2º é o primeiro por que me chamam! Mas os meus pais estão perdoados já que o primeiro é Maria. :)

    ResponderEliminar
  11. Também pertenço à minoria dos não-tenho-segundo-nome-sim-não-tenho mesmo-é-só-assim.

    É a primeira vez que vejo uma análise desta temática, a dos segundos nomes inúteis. Isto é deveras importante, quiçá digno de uma qualquer referendo nacional! :P

    Post brilhante,
    para ser constante.

    ResponderEliminar
  12. Pólo Ruth (atenção ao "h"). Os meus pais sabiam que eu ia ser artista. Pensaram é que teria queda para a música ligeira e a cassete pirata. Foi um pouquinho ao lado. (NUNCA NINGUÈM ME CHAMOU OU CHAMA RUTH- nome de bordel, aliás. PELO QUE ME ESQUEÇO...)

    ResponderEliminar
  13. Eu sou do tempo em que todas as mulheres se chamavam Maria qualquercoisa e qualquercoisa Manuel ou José. E gosto e serve sim senhor, para olvidar as Fátimas, Socorros, Bonifácios, Hilários, deste país.
    Ex: Oh José, venha cá!
    Em vez de: Oh Sócrates, vai ver se eu estou na esquina!

    ResponderEliminar
  14. @ Ana - Sem cair no exagero, eu diria que as Anas são as Marias da geração da minha mãe. Há mais que muitas e o segundo nome é a salvação.

    @ Flávio - É isso aí, seu cafajeste.

    @ Ricardo - Para criar um sindicato teria de deixar crescer o bigode. E no Verão não me dá jeito.

    @ Pipoca - Não só tem 2º, como 3º nome hein, isso é que é luxo. Deve dar para fazer bonitas combinações, deve... E, se não der, só tens que me dizer quais são que eu invento.

    @ S* - Não chames nomes ao segundo nome, que ele não tem culpa, coitadinho.

    @ Miss - Não sei se isso anula o efeito, Guilhermina por exemplo não tem "de" que o safe.

    @ Tulipa - Quando se irritam comigo também me chamam por outro nome, mas normalmente é "parvo", "estúpido", "idiota" ou até mesmo "bandalho".

    @ Blue - Eu não tive o auxílio de répteis, pelo menos que eu saiba...

    @ Prezado - Não era preciso, no teu caso possivelmente o segundo nome era só para te dar uma identidade alternativa, caso fosses condenado...

    @ Malena - Não me digas que o teu nick é contracção de Maria Helena, isso sim seria bonito.

    @ Fi - Creio que não é preciso chegarmos ao referendo. Um post idiota vai chegando perfeitamente.

    @ Pólo - Ruth??? tipo Dra. Ruth? Tipo esta senhora - http://en.wikipedia.org/wiki/Ruth_Westheimer?
    Isso é mais que música ligeira...é um autêntico baile.

    @ Manuela - Da maneira que isto vai correndo, falta pouco para o passarmos a tratar por Zé Só.

    ResponderEliminar
  15. Nunca me habituei a que me chamassem pelo meu segundo nome ou pelo 1º e 2º. É esquisito.

    ResponderEliminar
  16. Não há dúvida que para ralhar dá mesmo jeito um segundo nome. Até para ralhar com gato (que só tinha primeiro nome) eu inventava um segundo "Freddy Manuel sai já daí!"

    ResponderEliminar
  17. Mak, qual é o teu segundo para fazer uma análise...

    ResponderEliminar
  18. Não sou portador do mesmo, meu caro.

    ResponderEliminar
  19. Pois eu tenho a "sabedoria" como segundo nome, em jeito de herança de família, e gosto apesar de não o usar muito.

    Mas é giro descobrir os segundos nomes das pessoas... acho que os segundos nomes mais estranhos que conheço são de duas irmãs minhas vizinhas, Leonília e Leontina, que devem agradecer a deus e a todos os Santinhos de os primeiros nomes serem bastante normais... LOL!!!

    ResponderEliminar
  20. Podias ser Mak Christopher Bad... não gostas?

    ResponderEliminar
  21. Eu tenho segundo nome, mas nunca foi usado cá em casa, já estou quase como o Prezado. E, talvez por isso, nunca achei piada ao nome, até porque é daqueles que não tem jeito de ser chamado sozinho. ódepois alguns colegas descobriram, acharam piada e de vez em quando, lá os ouço. Mas a eles, só a eles, até perdoo.

    ResponderEliminar
  22. Mas até acho que o segundo nome pode dar jeito. Há pais muito pouco inspirados e assim a pessoa sempre tem a possibilidade de escolher entre um nome ou outro, ou o melhorzinho dos dois

    ResponderEliminar
  23. O meu 2º nome foi-me dado pelo meu pai, à revelia, e como tal a minha mãe, em jeito de "toma lá para não te armares em esperto" nunca na vida me chamou "Cat Maria!!".
    Em compensação, sempre me chamou por um diminutivo - que não Cat - e que eu confesso que não gosto nada.
    Ou seja, vai dar à mesma m****!

    ResponderEliminar
  24. Pior é ter um nome próprio como nome de família, e isso não só ser confundido com um segundo nome como ficarem a pensar que me anuncío usando os dois...

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.