3.5.10

O poder do meu email


Frequentemente, três dos meus nove amigos imaginários tendem a questionar-me sobre a necessidade de ter um endereço de email reservado ao blog. Não lhes levo a mal, mas apenas por serem esses três, dois deles analfabetos e outro praticamente cego. Se fossem outros, o caso seria grave.

Mas, o email deste blog tem outro papel fundamental para além de vos dar a impressão que eu me preocupo e que do outro lado da linha está alguém que lerá atentamente as vossas palavras, os vossos desabafos e as vossas receitas de delícia de cenoura.

E, porque neste blog a fantasia e a realidade convivem animadamente como duas amigas lésbicas em películas desinibidas, posso dizer que se o Sampaio ainda fosse presidente, a minha caixa de email já tinha recebido uma medalha de serviço público.

Através dele, já expliquei a crianças que uma luz ao fundo do túnel pode ser um comboio e que, ao contrário do que o Sr. Padre diz, as flautas não têm pêlos.
Já elucidei malta perdida nos caminhos da toxicodependência sobre as vantagens da Curraleira face ao estado actual do Casal Ventoso.
Já fiz aconselhamento matrimonial, com preciosas dicas sobre quais os melhores venenos que não deixam vestígios.
Já falei sobre muito e sobretudo sobre nada e, ainda assim, tive gente que me agradeceu por ter sido dos emails mais enriquecedores que alguma vez receberam.
Já respondi inclusive a uma ou duas religiosas, explicando-lhse as vantagens de voltarem as costas ao Santo António, já que a gelataria na Avenida da Igreja fica do lado esquerdo.

E, para quê vir com esta cantilena toda, quando o que quero dizer apenas que, a partir de hoje, o professor Bambo pode tremer quando souber que mudámos para o gmail e que agora atendemos em mak.omau@gmail.com

Porque se isto fosse um post de duas linhas provavelmente vocês não acreditavam que era meu.

12 comentários:

  1. tu escreves muito. como sabes não sei fazer o mesmo. vais longe. tanta coisa para dizeres que mudaste de email. é bem.

    ResponderEliminar
  2. Continuo a dizer que o produto do Casal Ventoso é melhor, mas valeu a disponibilidade demonstrada.

    ResponderEliminar
  3. @ mulher certa - Faz sentido, uma noção de equilíbrio, tu serás o "yin" eu serei o "espera lá a ver se não me esqueço de reforçar o conceito mais complexo e intrinsecamente ligado à minha capacidade de debitar yang"

    @ Miss - Insistes naquilo a que se chama cavalo para burro, portanto.

    ResponderEliminar
  4. Só te digo que me fazes rir, o que é sempre bom.

    ResponderEliminar
  5. Mak:
    Até podes ter razão, mas já dizia a minha avó que "cavalo dado não se olha o dente".

    ResponderEliminar
  6. Sinceramente acho que Mak pretende instaurar um novo serviço público por mail "Mak Advice" e trata-se de propaganda bandida :)
    Ou então cansou-se do estigma br do email anterior :).

    ResponderEliminar
  7. Importantíssimo. Já te posso escrever uma declaração de amor.

    ResponderEliminar
  8. Ou até mesmo uma declaração de impostos, que por vezes é algo ainda mais complicado.

    ResponderEliminar
  9. Isto é para teres atenção, não é Mak?
    A frase "daddy didn't love me enough" comes to mind.

    (brincáderinha - lendo em sutaqui brasileiruh)

    ResponderEliminar
  10. Nada disso. Se fosse para ter atenção ia correr todo nu na Avenida da República...

    ...outra vez.

    ResponderEliminar
  11. E se eu quiser escrever para o Bom ou para o Vilão?

    ResponderEliminar
  12. Como diria a senhora amiga da Júlia Pinheiro, eu canalizo as minhas energias para eles, desde que isso fique bem claro no subject.

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.