20.4.10

Gaga antes de o ser



Eu sou um gajo versátil, tão depressa uso um lápis atrás da orelha, como a seguir o uso para escrever, como a seguir ainda o uso para virar umas febras. É um desígnio que habita em mim.

Já esta senhora, pelo que me é dado ver noutros espaços, decidiu virar apenas umas febras. É pena, gostaria de a ver uma semana neste registo, na semana a seguir tipo Barbarella ninfo-electro-pop-choc. Que é inteligente eu não tenho dúvidas, já que a evolução/regressão musical-visual prova isso mesmo. Se tem princípios ou não, não me preocupa, afinal de contas está no mundo da música e aí vale tudo, especialmente arrancar olhos.

Ah, é uma trampa, é lixo, é cópia do que já era cópia, é o diabo a quatro. Não, é pop e o pop sempre fez de tudo para ser vendido. Vão lá aos livros, o que não faltam são receitas para o mesmo prato e se calhar ainda encontram alguma coisa que gostam.

Se daqui a uns anos se lembrarem tanto dela, como disto é sinal que tiveram sorte.

13 comentários:

  1. É mesmo a Lady Trampa Gaga? Fogo.. Mil vezes ao piano!

    ResponderEliminar
  2. Mas parece-me a mim que se a Stefani tivesse continuado apenas ao piano não teria a fama (boa ou má é pouco importante) que tem hoje!

    ResponderEliminar
  3. eu nao gosto nada dela...nunca gostei. e tens razao em tudo o que dizes, ou quase ;)

    http://naruadaamargura.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  4. A Pública de domingo passado tinha uma reportagem sobre ela, em que contavam o seu percurso. Basicamente a rapariga tinha talento, mas naquele registo ninguém dava nada por ela, então ela decidiu transformar-se nisto que se vê

    ResponderEliminar
  5. pois, mas com o pianinho e vozinha melosa é igual a outras centenas a tentar ingressar na música e a produção que ela faz agora, é original, é feita por ela e pelos dançarinos e dá milhões;)

    ResponderEliminar
  6. Gosto deste registo, tem mais a ver comigo..
    Já na nova fase recomendo o que andei a cantar há dias no carro a ir para o trabalho:

    http://www.youtube.com/watch?v=7CUYvWTd6oA

    ResponderEliminar
  7. Bem, estou espantada com isto. Sabia que ela já havia feito outro tipo de música, mas nunca tinha visto. E' francamente muito bom.
    No entanto, e apesar de não ser fã, gosto do conceito Lady Gaga. Em 20 anos foi a única pessoa que pôde ser colocada em pé de igualdade com a Madonna em termos de poder de imagem e de excentricidade. Com a vantagem que sabe cantar, ao contrário da outra senhora de nome italiano.

    No entanto, tenho a ligeira desconfiança que a Lady Gaga tem substância para ser conhecida ainda daqui a uns anos. :) Basta que se continue a reinventar.

    Se ela tivesse mantido este registo, bem...era uma outra Sara Bareilles. Que adoro, atenção. Mas no mundo de hoje, pelos vistos é melhor ser comparada com a Madonna (meu ódio de estimação desde pequena) do que com uma Californiana chamada Sara Bareilles.

    Obrigada pela partilha.

    ResponderEliminar
  8. Não gosto desta, como já não gostava dos outros mafarricos que deixaste aí... Vivia toda uma vida muito bem, sem nunca ter ouvido falar deles

    ResponderEliminar
  9. []
    Nada a dizer ... não conheço! Não quero conhecer!
    Mas aposto que deve ter uns teledicos descascada, banda sonora de uma novela ou um anúncio de qualquer coisa ... para falarem nela !lol

    ResponderEliminar
  10. Como já aí disseram, isto é uma construção de personagem mas, acima de tudo, é um belo exercício de marketing.

    Tens boa voz, mas não és propriamente uma estampa. Nos dias de hoje, isso é um problema, porque mais facilmente te safarias se não tivesses propriamente boa voz, mas fosses uma estampa.

    Como te diferencias? Excentricidade (palavra simpática). Como é óbvio, não creio que a ideia tenha sido dela per se, mas funciona. E agora falam de ti, bem ou mal, desde que falem é o que interessas.

    Embora a qualidade musical esteja no campo pop, visualmente crias um espectáculo que atrai as pessoas, porque não tinham nada igual ou se já tinham visto algo parecido, este tem o toque estético e a tecnologia que anos 80 e 70 não dispunham.

    Se formos a ver, boys bands, girls bands, new metal, rammstein, disco sound, etc, na história da música o que não falta é venderem-nos mais do mesmo só que com pacotes diferentes.

    Isto sou eu a pensar, que sou um mitra de primeira.

    ResponderEliminar
  11. Mais uma cantora que virou projecto de marketing, para mal dos pecados do Patife, que são muitos.

    ResponderEliminar
  12. Nem conheço nada da figura. Talvez porque me enerva que se fale mais nela por motivos extra-musicais que pelo valor que eventualmente terá...

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.