12.4.10

Figura de estilo

Ultimamente, muitas são as pessoas que se dirigem a mim sem olhar e, baixando a voz em tom de confidência, me perguntam:

“Como é que tu, tendo umas origens modestas, conseguiste progredir e superar até alguns cortes de cabelo bem duvidosos para, sem seres propriamente uma estrela de Hollywood ou teres descoberto a pólvora, teres chegado onde chegaste?”

Quando lhes vou a responder, nem me dão tempo, continuando.

“É que não só te safaste em Portugal, como depois ainda te orientaste lá fora e ainda por cima todo contente a acordar todos os dias com uma modelo estrangeira ao teu lado. As criancinhas gostam de ti, os velhinhos também e quando vais ao Algarve é sempre uma festa. Dinheiro deve ser coisa que não te falta e, apesar de haver quem goze da maneira como falas, deve ser só inveja. Qualquer dia, na volta, também tens uma fundação.
Como é que tu consegues, como?”

Já algo entediado, mantenho no entanto alguma cordialidade na resposta.

“Peço desculpa, mas evidentemente está a confundir-me com o Luís Figo. E ele já tem uma fundação”.

Nessa altura, as pessoas tendem a responder “Ah, pois é, deve ter sido das pernas arqueadas” e vão-se embora.



PS -Antigamente também me acontecia muito isto, mas era com o Khadafi. Devia ser dos caracóis.

2 comentários:

  1. ...A mim só me confundem com o george clooney. Kadaffi é que era, ia logo para a caixa prioritária do pingo doce.

    ResponderEliminar
  2. Pernas arqueadas? Taditxo. Devias ter sido tratado em bebé. Agora ficas tipo rã para todo o sempre.

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.