5.4.10

E tu, o que aprendeste com a Páscoa?

Quem, eu?
Sim, tu. Pões-te com perguntas retóricas e diálogos interiores e depois as pessoas não te percebem.
(Verdade seja dita, mesmo quando não te pões com essas cenas, não é fácil arranjar quem te perceba...)

A quem, a mim?
Não vamos começar outra vez.


Posso começar por dizer que aprendi porque é que as pessoas vão para o Algarve neste fim de semana. É que assim aumentam as probabilidades de aparecerem na televisão a dizer mal do tempo ou com ar resignado e casacão pelas costas na praia a dizer que ainda assim vai ser divertido.

Também posso confirmar que as amêndoas da Páscoa fazem mal. Especialmente quando são atiradas à cabeça de uma pessoa com força.

Para os amantes da tradição católica, é uma altura em que se apercebem que, mais perigoso do que beijar os pés ao menino ou à cruz, é deixar crianças sozinhas com indivíduos que têm posters dos Teletubbies e do Macaulay Culkin na sacristia.

Aprendi ainda que a tshirt que usei para ir correr uns valentes kms no Domingo de Páscoa não tem o carismo do santo sudário. Mas tem também um cheiro peculiar...

Cheguei também à conclusão que vou tirar a Alexandra Solnado do meu Facebook. Desde que fiz o post da freira e do Jesus está sempre a mandar-me convites para o Cristoville.

2 comentários:

  1. Cristoville ... pá!

    (e assim a segunda passa mais depressa)

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.