4.3.10

Vamos dar um tempo


Tal como qualquer boletim metereológico que se preze, este título é enganador. O romantismo lírico está de folga hoje e o analista sentimental ficou retido num acidente na A1. Resta-nos, por isso mesmo, falar efectivamente e uma vez mais do tempo.

Há quem diga que falar do tempo é uma perca do mesmo, mas o facto é que as pessoas passam o tempo a falar do dito cujo, usando-o para tudo e mais alguma coisa.

Não tenho tempo para isto.

Ai não? Então pronto, adiante.

O facto é que nunca estamos contentes com o tempo que temos e todo o tempo é pouco. Se está mau tempo, ansiamos pelo bom tempo.
Se está bom tempo, queixamo-nos de não termos tempo para o aproveitar.

Quando dás um tempo não o dás por estares contente, inclusive quando dás tempo ao tempo. Mas dás com uma mão e tiras com a outra, porque precisas de tempo só para ti.

Até que depois te lamentas porque o tempo não volta para trás, mas rapidamente afirmas que tudo tem o seu tempo e já não era sem tempo ver chegar outros tempos.

De tempos a tempos, inventamos coisas como os bancos do tempo, protestanto pelo meio sobre o tempo que passamos nos bancos.
Nos tempos que correm, é difícil parar a tempo e perceber que a riqueza do tempo não é falar dele.

Usá-lo enquanto é tempo, esse é que é o segredo do tempo.

Será que ainda vamos a tempo?

Desconto de tempo – E galos do tempo - Será que eu sou o único saloio que delirava com estes objectos quando era petiz?

12 comentários:

  1. Yup! :P

    Mas sabes como é, o tempo perguntou ao tempo, quanto tempo o tempo tem, e o tempo respondeu ao tempo que tem quanto tempo o tempo tem...

    ResponderEliminar
  2. Faltava essa - Já não era sem tempo!

    ResponderEliminar
  3. Eu queria um galo do tempo. Deram-me uma virgem de Fátima que ficava azul quando havia sol e rosa quando chovia. Fui claramente enganada.

    ResponderEliminar
  4. Nunca tive um galo do tempo...onde raios se arranja isso?
    By the way, fazia-me um jeitinho do caraças ter mais tempo...

    ResponderEliminar
  5. Pólo Norte: Podemos dar um tempo, que dizes?
    Ele: Hummm. Não sei. Depende. Quanto tempo?
    Pólo Norte: 10 anos?

    (verídico)

    ResponderEliminar
  6. @ Van - Nossa Senhora às cores é kitsch mas o galo tem o toque rústico que me convence...

    @ Pipoca - Hoje em dia, se ainda existir, deve haver na loja do chinês. O galo, não o tempo...

    ResponderEliminar
  7. @ Pólo - Aí, jogando pelo seguro, 10 anos talvez fossepouco. Há gente com boa memória e pouco discernimento de segundos sentidos ;)

    ResponderEliminar
  8. Eu também delirava com estes galos. Tanto lhes dava banho para os ver mudar de cor como os punha à lareira para os enxugar e ver mudar de cor novamente.

    ResponderEliminar
  9. Não sei onde é que vocês creceram, garanto que nunca tinha ouvido falar disto. Bem, mas eu tive uma infância demasiado atribulada entre bombas de cal e estalidos com velas de zundaps. Mea culpa. Mak, arranjas-me um galo destes? Vá, de depois dou-te um tempo...

    ResponderEliminar
  10. Nunca ouviste falar?? Que grande galo... :p

    ResponderEliminar
  11. Foda-se (podem dizer-se asneiras aqui?). Eu sei que é básica, mas estou às gargalhadas com o "grande galo". Bem, vou para a capoeira fazer as malas. Adeus

    ResponderEliminar
  12. Estúpido do meu galo está cor de burro quando foge ! Só não o deito fora porque é herança da VóVó .

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.