2.3.10

Falta de inspiração

Levantou-se, decidido a escrever. Voltou a sentar-se, pois não lhe dava jeito escrever de pé. Olhou para a folha em branco e pensou em como gostava de folhas em branco, mundos inteiros à espera de ganhar forma através das suas palavras. A folha continuava em branco. Por vezes a sofreguidão desse vazio incomodava-o, todo aquele imenso nada a chamar, a exigir que ele o preenchesse, que lhe desse vida e um propósito. Fechou o caderno, irritado com as manias das folhas em branco.

Pegou na caneta. Não ligava muito a canetas e nem sequer tinha aquilo a que se pode chamar uma caneta da sorte. Costumava até dizer, em jeito de brincadeira “Sorte tem a caneta, que cria sem ter de imaginar”. A caneta não se manifestou e ele largou-a, enfadado.

Bem, já era hora. Se o método artesanal não resulta, há que apelar à maquinaria moderna. Abriu o portátil. Identificava-se muito com o computador, apesar de achar que era menos quadrado. Começou por abrir uma janela, porque estava calor, abriu outra porque queria ir à Internet. Orgulhava-se de considerar a sua imaginação uma espécie de Google interno da sua cabeça. Bastava-lhe pensar em algo e logo apareciam inúmeros resultados.
“Não foi possível carregar a página pretendida”. A mensagem foi simultânea, no computador e na cabeça.

Olhou lá para fora. Possivelmente lá fora estava a resolução para os seus problemas. Não havia razão para ficar cá dentro. Tirando que tinha de escrever. Ter não tinha, mas queria. Queria, mas não saía nada. O uso do condicional estava a condicioná-lo e isso ele não admitia.

Resolveu sair à mesma, escrevendo só algo enigmático para sossegar a sua parca consciência. Podia ser que ninguém desse por isso.

7 comentários:

  1. Isso só precisa que ele saia e volte a entrar.

    ResponderEliminar
  2. Costumo dizer que é possivel escrever sobre tudo. Eis a prova à minha teoria!
    Assim se escreve com muita criatividade um excelente texto sobre falta de inspiração!

    ResponderEliminar
  3. Eu acho que o Mak não estava com falta de inspiração ;) mas deixa-me lá ler outra vez, posso estar com falta de prática ...

    ResponderEliminar
  4. Se ter falta de inspiração é escrever textos destes, também quero:-) Bj

    ResponderEliminar
  5. Gosto das tuas imagens e trocadilhos.
    Achei fantástico o "Começou por abrir uma janela, porque estava calor, abriu outra porque queria ir à Internet" :)
    Também gostei muito da analogia imaginação/google a terminar com “Não foi possível carregar a página pretendida”.

    O texto todo está muito original.
    Parabéns!

    ResponderEliminar
  6. Da minha parte agradeço. Da parte que não é minha, também :)

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.