8.2.10

Serei eu uma gaja boazona?



A Internet tem uma coisa maravilhosa. E, para os rebarbados da sala, não me refiro à pornografia. Falo da capacidade das pessoas confiarem/acreditarem no que lêem, por exemplo em blogs.

“Deves. Eu não acredito em merda nenhuma que leio neste blog, se é que isto pode ser considerado um blog”. Isto sou eu, a fingir que sou um de vocês a fingir que não acreditam no que acabam de ler, enquanto se questionam sobre a complexidade dos diálogos interiores.

A verdade é que, e acreditem em mim, por norma somos mais desconfiados com desconhecidos no mundo real, do que com desconhecidos na blogosfera. Criam-se laços, a escrita é uma boa forma de identificação e, quando damos por isso, estamos em perfeita sintonia com alguém que não conhecemos de lado nenhum.

O ponto base é, se um tipo com o meu savoir faire do Feira Nova vos abordasse na rua, não pensariam duas vezes em me deixar a falar sozinho. Aqui posso até pôr em causa a capacidade que têm de pensar que, com um bocadinho de sorte, ainda acham piada. Um bocadinho grande.

Nada vos diz que eu não sou uma barmaid voluptuosa da Reboleira cujo sonho era fazer-se passar por um gajo idiota, ainda assim um charme de moço, com a mania que é engraçado. E, para aqueles que alguma vez aventaram essa hipótese, a primeira rodada no “SAM Bar” é por minha conta.
Há pessoas e personagens na Internet, a proporção é incerta e duvidosa, eu próprio sou um deles e vejam lá o ambíguo que isto é.

No entanto, ao contrário dos programas da manhã na TV, nem tudo é mau e tenebroso. Numa era em que é a imagem que dita as regras (exemplo: digam-me qual foi a última gaja não boazona/excêntrica que viram na MTV a cantar ou a tentar), as pessoas na blogosfera seguem outra coisa. Uma percepção, uma vivência, uma história com um fio condutor ou não. Errados ou certos, isso depois é outra história.

Mais vale sonhar um dia do que passar a vida no escuro.

Seja como barmaid na Reboleira ou como eu, o que pode ser ou não a mesma coisa.

10 comentários:

  1. A eterna problemática do "meu pipi"... Quem será, quem será?

    Eu cá sou muito desconfiado com os perfis online - fotos com carinhas larocas são um engodo lixado... Já me escaldei duas vezes, armado em heroi do blind date, aprendi batendo com os cornos em belas surpresas. Se à 3ª é de vez, ela vai demorar a chegar.

    Se fosses uma gaja, esta semana já tinhas falado 2 vezes de depilação.

    ResponderEliminar
  2. Mesmo sendo barmaid na Reboleira continuarias a ser genial. E lá iria eu visitar a reboleira :-)

    ResponderEliminar
  3. Fiquei com a impressão que este post foi só para dares a entender que afinal não és parvo. É pena, dava-me jeito não ser a única.

    ResponderEliminar
  4. Podes ser quem quiseres, estás no sítio certo para isso. Olha, mas como eu gosto de "te ler" venho aqui sempre que me apetecer dar umas risadas! B:-)

    ResponderEliminar
  5. Mesmo que fosses uma barmaid da Reboleira essa foto nao foi bem escolhida, nao é ca em Pt de certezinha... se fosses uma barmaid da Reboleira o bar nao tinha esse aspecto e se tu tivesses fazias gala em mostrar :P

    Nice Try, Though.

    ResponderEliminar
  6. Ah, mas seja eu ou não uma Barmaid na Reboleira, seria algo ingénuo da minha parte colocar o próprio do bar ou a minha própria figura.

    Afinal de contas, há aí muita gente trafulha na net.

    Made you look, though...

    :p

    ResponderEliminar
  7. E que tal vires fazer de barmaid para Cascais? Hein? Era a loucura entre os tios. LOL.

    Beijocas

    ResponderEliminar
  8. Eu conheço a Mak e afianço que sim senhor, ela É uma gaja podre de BOA... à noite... às escuras... ao longe... numa noite de nevoeiro... com os olhos semicerrados... depois de beber duas garrafas de gin... de penálti.

    Beijos para ti,
    Marisa Andreia Karina

    ResponderEliminar
  9. na mouche meu caro, na mouche...

    Cada um acredita naquilo que quer ;-)

    ResponderEliminar
  10. verdadeiro ou não, este post está muito bom!

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.