18.2.10

O último grito em cirurgias

Apesar do sucesso da lipoaspiração, da cirurgia facial estética, do advento da silicone, do implante salino e todo esse mundo de regabofe e bisturi, continuo em crer que a extracção da consciência continua a ser das operações mais bem sucedidas que vejo por aí.

As pessoas não têm cicatrizes aparentes, parecem viver bem sem ela e, nalguns casos, esse acaba por ser o segredo do seu sucesso. Não se arrependem de o ter feito, essencialmente, porque não têm consciência.

Por ter parcos recursos, procedi apenas à remoção parcial da minha consciência, apesar de já me terem dito que não falta aí quem trate do processo de borla.

Até lá, limito-me apenas a não ter consciência das alarvidades que escrevo.

7 comentários:

  1. Definitivamente, tenho que recorrer a esse método...

    ResponderEliminar
  2. Apercebo-me do mesmo, nunca pensei que fosse uma cirurgia que permitisse isso, mas sim uma anestesia geral, apenas.

    ResponderEliminar
  3. Ando a tentar silenciar a minha, pelo menos por um par de horas por dia...

    ResponderEliminar
  4. Ter até tens. Mas decides não ligar a ela. Sai mais barato e dá para escrever posts destes, do género "olha para o que eu digo, não olhes para o que eu faço".

    É lamentável. :)

    ResponderEliminar
  5. Se eu fizesse estes posts em consciência, isso sim seria lamentável.

    ResponderEliminar
  6. Já o fiz e não me dei bem!

    O Sofá continua de pé.

    Beijocas

    ResponderEliminar
  7. Eu sempre te achei um (in)consciente!

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.