27.1.10

Uma vida em 15 linhas

Alberto, o Arte e Tecto

Alberto nasceu para ser arte e tecto e, mal nasceu, disse isso a quem o queria ouvir. “Arquitecto”, corrigiam-no com um sorriso, quando ele ainda era pequeno demais para os desmentir com algo mais do que “Na, na, na, arte e tecto”. Quando começou a crescer, manteve “Arte e tecto, é o que quero ser”. Sorrindo menos, não o corrigiam tantas vezes, pensavam que era fase “Ora, o primo Carlos também queria ser burro crata e agora tem uma boa carreira, o 28 da Carris”.
Em Portugal não havia cursos de Arte e tectura, por isso foi para o Tibete, aprender tudo o que sempre quis saber, na Faculdade do Tecto do Mundo. Alberto voltou diferente, voltou contente e arte e tecto formado. É bem sucedido e passa a vida a ser convidado para ficar pendurado no tecto, a decorar casas de pessoas importantes. A arte e tectura está na moda. Há quem já não sorria e goze quando falam de Alberto, o arte e tecto. Ninguém gosta de tipos que ganham a vida a olhar as pessoas de cima para baixo.

1 comentário:

  1. Ui, essa cabeça está a ficar complicada! :P

    (mas no fundo tens razão, ninguém gosta!)

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.