25.1.10

Faisal guma coisa por ti pá!


Já muito se falou sobre Abel Xavier, portanto falemos então de Faisal... Xavier. Antes de se converter ao islamismo o Faisal foi um futebolista conhecido em todos os cantos do mundo, particularmente por ter jogado praticamente em todos os cantos do mundo. Num total de oito países e mais de dez clubes, antes de ser Faisal este rapaz correu todos os campeonatos e em todos os campeonatos houve quem corresse dele.
Porquê? Porque mais do que clubes, futebol e capacidades futebolísticas, a páginas tantas o Faisal antes de o ser, acumulou mais penteados exóticos do que clubes e países somados, isto para ser simpático.

Desde Yeti, a Cotonete Dourado, passando pelo Abelminável Homem das Neves, muita coisa chamaram ao Faisal quando ele ainda não o era. A dada altura pareceu até que os seus olhos mudaram de cor, mas já ninguém ligou muito, pois tinha-se tornado rotina. Além disso, no futebol o seu destino já tinha ficado marcado pelo lance da mão-que-não-foi-mas-na-volta-até-foi nas meias finais do Euro2000.

Longe do rapazinho que tinha aparecido num clube de Amadora, o pré-Faisal era agora um boneco simpático para tirar fotos e decorar o relvado tipo árvore de Natal. Foi até aos EUA, para aparecer em postais ao lado do David Beckham. Mais socialite do que futebolite, o já quase Faisal que, diga-se de passagem, sempre foi minimamente articulado no discurso colocou um ponto final na carreira dos relvados, embora também se possa dizer que a carreira há muito que já estava em reticências.

Pensámos nós, “Ah, Faisal-no-prelo, é agora que vais deixar de ser motivo de atracção e acalmar”. Mas não, não havendo futebol, logo houve Islamismo para voltar à ribalta. Totalmente lícita a opção (como todas as de cabeleireiro o tinham sido), mas Faisal, e agora sinto que te posso tratar assim, não achas que depois de tanta tropelia já poucos te levam a sério?

Logo à noite, quando pisares o relvado da Luz para ajudar o Haiti, pensa nisso. Porque o Faisal podia ser o começo de algo novo e não uma sequela de um Abel Xavier de quem já todos já só estão pelos cabelos.

Uma pessoa reinventar-se é algo positivo, mas de que serve isso se ficar tudo na mesma?

6 comentários:

  1. Para além de ter ficado chocada com os 7 minutos de reportagem a que a sua apresentação como islâmico teve no jornal da noite da SIC, fiquei ainda mais chocada por ele não saber o porquê de se ter convertido. "Ah e tal nem percebo a língua mas gosto da fonética"???????
    Diz que deixou de beber alcóol, mas aposto que assim que chegar o Verão,tira férias do islamismo e vou vê-lo beber uns copos valentes no Capítulo V.
    Acho bem que as pessoas se reinventem, que mudem de vida, mas é bom ter um objectivo,um que não passe por levar com os holofotes da fama nas trombas não?

    ResponderEliminar
  2. Tipo, aqueles telemoveis que trazem varias capas diferentes para um gajo ir trocando?

    Curioso. A cor base é sempre o preto...

    ResponderEliminar
  3. Vocês lembram-se daquele anúncio da pasta medicinal couto, um preto de cabeleira loira um branco de carapinha...pois aqui está, algo não estava bem e só foi esperar um pouco e veio a confirmação de que algo estava errado no comportamento e postura deste senhor.

    ResponderEliminar
  4. Que maravilha de texto, shôr mau.

    ResponderEliminar
  5. Faisal agora?! Precisou mudar de nome para se converter?!

    Espero que o Faisal te oiça!

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.