4.12.09

Explicações de Português

Calma pequenitos, este não é um daqueles posts em que alguém, vulgo eu, chama ignorantes aos outros e se considera a maior autoridade em questões de tudo e mais alguma coisa, apontando defeitos vários, aqui e ali. Para posts do género, consultem o resto do blog.

Este é, pura e simplesmente, o título do livro que estou a ler. “E a gente, que samos pessoas simples, o que é que temos a ver com isso?”, indagam vocês, coçando a orelha. Nada, digo eu, tirando se forem a senhora que ia ao meu lado no autocarro e insistentemente tentava descobrir o livro que eu ia ler. Algo que, do alto da minha benevolência, dificultei o mais que pude.

Por isso, este post é para essa senhora e vocês são meros voyeurs. O que vos deve dar um gozo danado, já que toda a gente sabe que malta que visita blogs deste calibre gosta é de cenas esquisitas.

Quem aprecia Miguel Esteves Cardoso, gosta deste livro. Eu, que lhe apreciava a prosa, nunca me deixei cativar muito pelos seus livros, um pouco por preguiça, outro por teimosia. Mas este título, só por si cativou-me, uma vez que dar explicações e pedir explicações é coisa que fazemos frequentemente, mas raramente no melhor sentido e ainda menos sobre o português.

A nossa língua, minha e da senhora do autocarro, pela vossa não ponho as mãos no fogo, é rica o suficiente para este livro poder ser do tamanho do tijolo do Bolano. Mas não, tem a dimensão certa, apreciando eu sobremaneira os textos sobre o sentido de uma só palavra. Porque é possível escrever sobre tudo e sobretudo sobre nada, de forma interessante. É esse o dom de quem sabe cativar as pessoas pela escrita e o MEC nesses textos captados das suas crónicas, revela isso mesmo.

Quanto a mim, esse dom revela-se no facto de nem a si, senhora do autocarro, lhe conseguir chegar com esta palavras. Por isso, se ainda estão para aí a voyeurizar como se não houvesse amanhã, aceitem um conselho. Com o Natal aí à porta, se vos apetecer, peçam umas explicações de português. Se for o livro, melhor, se forem aulas, pronto já é um princípio.

5 comentários:

  1. Estou a reler o mesmo livro. Não me canso! E adapta-se a mim, que tenho tão pouco tempo para ler! Muito bom mesmo!
    *

    ResponderEliminar
  2. Ofereci-o ao meu pai pelo aniversário em Julho e depois gramei com as citações do livro durante uma semana inteira. Mas o meu pai, que conhece muita da obra do MEC, adorou o livro. E confesso (que ele não me ouça/leia) que algumas das citações até eram giras.

    ResponderEliminar
  3. Eu ando a reler o A Minha Andorinha, e acontece-me exactamente o mesmo no autocarro. Claro, o facto de eu não conseguir evitar sonoras e espontâneas gargalkhadas sempre que leio o MEC ajuda a suscitar a curiosidade dos vizinhos acerca do que é que estou a ler :-)

    ResponderEliminar
  4. Tenho-o e assinado. Confesso que não é, mesmo, dos meus escritores portugueses favoritos, mas este livro sim, é bom.

    ResponderEliminar
  5. Também não consegui gostar por aí além das obras longas, mas realmente os textos curtos dele são quase perfeitos...

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.