22.10.09

Riscos Pedidos

Sinto que às vezes me escapam as coisas de que é verdadeiramente importante falar.


As flores, os pássaros, as crianças que maltratam flores e pássaros.

A paz, as pás e o tudo o que está por detrás.

Os sentimentos, os impedimentos e todos esses argumentos peganhentos.

E escrever poesia, assim com muita alegria, mas com uma fixação doentia, por coisas que rimam com poesia e cheirem a maresia.

Peço portanto a vossa ajuda, e também da minha prima surda-muda.

Que temas andam a faltar no blog? Que linhas fazem mais sentido do que as do comboio?

O que é preciso para não terem de levar com devaneios bucólico-pastoris, dignos de um lirismo pós moderno e de um gajo que certamente vai para o Inferno?



PS - Dica não tomar medicação sem antes verificar o prazo de validade.

2 comentários:

  1. Vou ali num instantinho tomar a medicação, agora que já te dei atenção. (também rimei, vês?)

    ResponderEliminar
  2. Ainda me estou a rir do post anterior... O que me dificulta um bocado o raciocínio. Mas deixa lá as cenas importantes para o Pacheco Pereira. Os flagelos menores parecem-me muito bem.

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.