18.6.09

Saída do armário a 300 metros


Convenhamos, ser gay e sair do armário já não é o que era. Sim senhor, ainda há casos em que isso causa grande emoção, etc e tal, mas a verdade é que os tempos mudaram e quando se vê “Música no Coração pela 43a vez” aquilo já não é propriamente novidade...

Vislumbre-se um episódio jovem a sair do armário com os pais:

Jovem – Mãe, pai, vim cá jantar hoje para vos dizer algo importante.

Mãe – Ó filho, pensei que viesses por causa do cabrito.

Jovem – Sim, o cabrito é sempre bom, mas eu...

Mãe – É por causa de seres gay?

Jovem – Mas...já sabiam?

Pai – Então, mas tu achas que somos parvos? Olha, passa aí as batatinhas.

Jovem – Eu sei que não é fácil, mas acreditem....

Pai – Não é fácil? Difícil foi a tua mãe preparar o cabrito. Mas olha, se já te decidiste, aproveita e vê lá se convidas o teu primo Hugo para sairem mais à noite.

Jovem – O Hugo é gay????

Mãe – O Hugo e a filha da Arlete, a Carminho. Esteve cá a lanchar com a namorada a semana passada.

Pai – Era simpática a rapariga, despachou-me foi meia garrafa de aguardente.

Jovem – Eu não sabia...

Pai – Pronto, não fiques assim, agora já sabes. E, quando puderes, traz-me daquele creme que tinhas para a cara aqui na casa de banho. É que me faz um jeitaço para depois da barba.

Jovem – É que, nem no emprego sabem...

Mãe – Falando em trabalho, o teu pai diz que abriu um escritório de consultores lá no edifício dele Acho que têm assim um ar bem cuidado e essas coisas. Tu no teu CV dizes que és gay? Olha que podia dar jeito...

Jovem – O que é que isso tem a ver? As pessoas não têm nada a ver com isso. Cada um...

Pai – Mas filho, tu é que vieste falar connosco....

Jovem – Epá, vocês são impossíveis. Eu vou andando...

Mãe – Olha, leva cabrito!


Como se vê, necessitamos de novas saídas do armário para dinamizar a expressão. Talvez pessoas que gostassem de dançar em ranchos ou contabilistas que gostem de declamar poesia lírica. Não se acanhem, eu já assumi o meu amor pelas rendas de bilros.

Little Boots, New in town

6 comentários:

  1. Este post lembrou-me um skecth do Little Britain: "The gayest man in the village".
    Muito bom. (ambos)

    ResponderEliminar
  2. Diálogo fantástico - fartei-me de rir. Só não estou a muito ver uma Arlete com uma filha Carminho, e não vejo como combinar rendas de bilros com o personagem Mak, O Mau. De resto, há muito mito e cada armário por aí...

    ResponderEliminar
  3. Agradeço as referências. Resta-me acrescentar q este post teve o apoio Móveis Libório, a melhor solução para armários em Paços de Ferreira.

    ResponderEliminar
  4. Fantástico!... És um grande Humorista!
    Beijinhos,
    T

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.