1.4.09

Umas verdades sobre o dia das mentiras

Aproveitando que já está no fim um dia de regabofe e patranhas, queria aproveitar aquilo que aprendi nas aulas de Arraiolos e tecer algumas considerações sobre o sempre tão querido Dia 1 de Abril - Dia das Mentiras.

Eu sou daqueles que acha que nunca é demais que se publicite o Dia das Mentiras. É que me parece que nunca ninguém tem bem a certeza de quando é e, à cautela, vão mentindo o ano inteiro com medo de falhar a verdadeira data. Até porque a história do Natal ser quando o Homem quiser é que é uma bela tanga, pois para esse efeito já existe o Dia das Mentiras. E olhem que o Homem (e a Mulher) querem muitas vezes.

A questão é muito simples, a ciência evoluiu para o conhecimento do ADN de fio a pavio, a clonagem faz com que um tipo já nem possa ter segurança sobre a origem dos carneiros que conta para adormecer, mas a razão pela qual as pessoas mentem (razão científica, não de vantagem do momento) permanece desconhecida. Pelo que sei, a nossa espécie é única na matéria, pois existem animais que fingem, mas em reacções primárias e não em comportamento elaborado como o nosso. Do género, uma leoa a perseguir presas não pergunta a um elefante para que lado é que foram as gazelas. Até porque bastava ele responder "Epá, não tenho bem a certeza" para a leoa o apanhar a mentir, pois toda a gente sabe que os elefantes têm boa memória.

Mas pronto, em média todos nós mentimos e, até ver, nisso não há volta a dar. Aliás, mostrem-me uma pessoa que diz que não mente e eu vejo logo probabilidades de ela mentir, nem que seja a si própria. Uma vez que a relação entre mentiras e pessoas é um facto assente, ao menos que sejamos bons nisso. É que há aí gente que mente mal e em grandes doses e isso não é honra para a classe dos bons mentirosos.

Sim, porque concluindo, é tudo muito bonito e temos um dia e tudo. em que do cidadão aos meios de comunicação, todos fazem gáudio em dizer uma mentirinha, mas se houvesse um dia em que só fosse possível dizer a verdade tenho a impressão que ia ser mais complicado.

E olhem que me custa viver num mundo assim.
Mentira, não custa nada, mas também tenho direito a dar-vos umas tangas (que não de couro) não é verdade?

3 comentários:

  1. as tangas de couro não seriam muito confortáveis, pois não?
    Mas entre couro e polyester, venha o diabo e escolha!

    ResponderEliminar
  2. Há mentiras tão necessárias que deviam passar oficialmente a receber o nome de "verdade".

    ResponderEliminar
  3. Tangas, nem de couro!!! Quanto a mim, dá um certo ar "bichona"!!!
    E mentiras, devo ter "papado" umas quantas, já que nem me lembrei de semelhante efeméride!
    Beijinhos,
    T

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.