15.1.09

Putos que andam à chuva, molham-se



Ao longo da minha experiência de vida, decidi durante uns tempos que seria puto. Ser puto é uma ocupação que demora o seu tempo e exige o seu método, uma fórmula que depois de deixarmos de o ser já não nos lembramos muito bem como é, mas que tem a ver com uma conjunção de estupidez, arrojo, despreocupação e pseudo-rebeldia, nem sempre combinadas de forma proporcional.

Ora dentro dessa minha fase de puto havia uma regra, que creio que ainda se mantém nos dias de hoje – Mesmo que chovam aos baldes de água usar um chapéu de chuva é careta e totalmente não-cool.
A base desse pensamento tem porventura que ver com o facto de que o chapéu de chuva não casa com um look jovem, nem com uma atitude radical ou simplesmente não dá para andar com as mãos nos bolsos. Serve unicamente para nos proteger da chuva e os putos se há coisa que não precisam é de ser protegidos, pelo menos assim se pensa na altura.

Uma vantagem de já me ter passado a vontade de ser puto a tempo inteiro é que percebes que, traço geral, o que podes retirar do facto de andar sem chapéu de chuva é, simplesmente, ficar encharcado. E quem anda encharcado, mesmo que o negue a pés juntos, tem muito menos vontade de ser cool, se calhar por já estar refrescado o suficiente.

Assim, posso dizer que hoje em dia, debaixo do conforto do meu chapéu de chuva do Noddy, quando me cruzo com um puto encharcado, mistura de rebelde e esponja para banho, sorrio (em pensamento, porque há aí putos ensopados que têm pouco sentido de humor) e penso: “Ai puto, com sorte um dia vais perceber que um chapéu de chuva não te tira o estilo, mas até lá aproveita as molhas o melhor que podes”.

Como é óbvio, ainda há adultos com alergia grave ao chapéu de chuva. Para esses, ser puto não é a desculpa, chama-se mesmo ser urso...

5 comentários:

  1. Então eu sou uma granda ursa...

    Não é pelo estilo, que eu até gosto do objecto, é mesmo porque não dá jeito nenhum andar com aquilo.

    Já pensei naqueles pequenos chapéus que se põem directamente na cabeça, tipo Professor Pardal, mas aí não seria ursa e sim tonta...

    ResponderEliminar
  2. Há que não contestar as verdades, especialmente quando são expostas de forma tão eloquente.

    Isto aplica-se essencialmente ao 2º comment.

    ResponderEliminar
  3. Eu arranjei a solução!
    Arranjei um q encolhe, bem giro, e q cabe dentro da mala.
    O meu problema era os guarda-chuvas grandalhões q tinha de andar com eles nas mãos mesmo quando não chovia... e quandop saía de casa a achar q ía chuver, com o "monstro" na mão, e não caía nem um pingo?? Aí era a frustração total! E depois perdia-os sempre...
    Agora não! Nem dou por ele na minha mala enormeeeee!

    ResponderEliminar
  4. Esses pequenos são daqueles que uma simples rabanada de vento põe fim à sua existência...

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.