6.1.09

Oh My Zon!



Ao melhor estilo de Kusturica em "Paulo Branco, Paulo Negro", o responsável da Medeia produziu a melhor novela que vi nos últimos tempos e olhem que eu vejo cerca de zero.

A malta da Zon Lusomundo achou que o "Monopólio" pode ser algo bem mais divertido do que um jogo de tabuleiro e vai daí lançou o MyZonCard, que promete dar até 52 bilhetes à borla por ano a todo o sofredor que tenha penado com a ex-TvCabo em casa há mais de um ano. A campanha andou no ar e, desde ontem, que já se podia beneficiar dessa benesse, obviamente em cinemas Lusomundo.

O tio Paulo há muito que decidiu interromper o seu InterRail gitano para protestar com esta situação, gritando "Bandidos, gatunos, imperialistas e até monopolistas", pois que quem não tem cinemas Zon, já se estava a ver muito em off. Com o assunto na mesa desde Dezembro, altura incómoda para ter coisas na mesa para além do Bolo Rei e do bacalhau, a Alta Autoridade para a Concorrência foi-se empanturrando e empurrando a decisão para a frente com a barriga.

Até que hoje, a imprensa falou nisso de novo. À tarde, a Sra. Autoridade suspendeu o pobre cartão depois de um dia de trabalho. Quem hoje vá ao cinema para o usar novinho e fresquinho vai ter uma bela surpresa.

Eu tenho o cartão, mas de bom grado troco umas sessões à borla, pela "Balbúrdia no Oeste" que se avizinha.
É que sempre fui muito mais um gajo do Trivial Pursuit do que do Monopólio.

8 comentários:

  1. A mim não me dói nada esta suspensão.
    Os cinemas da Lusomundo já estão sempre cheios de gente pouco civilizada (não disse totalidade) e, por isso, não pretendia usar muito o dito.

    ResponderEliminar
  2. Apesar de achar que o dito cartão não é tão ilegítimo assim, porque é que uma empresa que vende canais com filmes manda as pessoas para o cinema? Que cena...

    ResponderEliminar
  3. Eu devo ser a única pessoa que usou o cartão Zon, no dia 2. E soube a pato. :-D

    ResponderEliminar
  4. Mak tens um desafio no meu blog.*

    ResponderEliminar
  5. ... vai ser caso a seguir atentamente para ver como vai acabar.

    Só é pena que a autoridade da concorrência só actue quando alguém põe alguma coisa de borla. Quando é para subirem preços de forma combinada, aí já não há problemas de concorrência...

    Com sorte, isto fica tipo "Casa Pia", e só daqui por 5 ou 6 anos é que fica resolvido - ou melhor dizendo: prescreve e faz-se de conta que nunca se passou nada...

    ResponderEliminar
  6. Eu acho bem. Os cinemas Medeia são dos poucos que continuam a passar filmes independentes, em vez dos típicos blockbusters americanos. O cartão ZON, além de ser uma grande treta porque tem imposições que não lembram ao menino jesus, ia acabar de vez com o cinema não-Blockbuster. E tendo isso em conta, e nós que gostamos de cinema de jeito, como ficávamos? Além de que, com Hollywood a falir, mais cedo ou mais tarde acabava-se o cinema de vez.

    ResponderEliminar
  7. ahaha
    Sou da casa! Mas não acredito nada, nada, nada!
    Quem vai nessa?

    AP

    ResponderEliminar
  8. No meu caso específico, não gosto de me manter fiel a uma só cadeia/sala de cinema. Que sejam os cartazes, os horários e a minha localização geográfica num dado momento a ditar a minha escolha.

    Mas percebo as lógicas de fidelização. No entanto, acho curioso que a Zon utilize um meio externo ao seu próprio produto como gratificação do uso do seu serviço, em vez de se preocupar em perceber porque razão no último ano perdeu tantos clientes...

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.