12.1.09

Desmiolados

Naquilo a que alguns chamam de “safari”, resolvi este fim de semana ir às compras ao supermercado. Como é lógico, de entre os inúmeros divertimentos e atracções locais que este tipo de superfície nos oferece, há sempre alguns que se destacam.
Para uns são as discussões familiares, para outros são os tipos que ligam para casa a perguntar se o “pato” na lista é para comer ou se é WC Pato e há quem ainda goste mesmo é de um bom regabofe na caixa, com gritaria, talões, vouchers e muita confusão.

No meu caso, são as particularidades que me atraem. Ver que tipo de pessoas compram este ou aquele produto, por exemplo. Desta vez centrei as minhas atenções num dos meus ódios de estimação – pão embalado sem côdea. Apesar de ser um claro apreciador de pão na sua totalidade, não sou intransigente ao ponto de não perceber que há gente que não gosta dessa parte. Mas, meus amigos, a estupidez (que não é gratuita) de querer comprar o pãozinho já sem côdea... afecta-me o sistema.

Quero lá saber se as criancinhas rabujam, se ao velhinho lhe custa na placa, etc. Comprar pão sem côdea é assumir um capricho que só toleraria com um sorriso em doentes em fase terminal, infortunados sem bracinhos ou em últimos desejos de condenados à morte.
Não gostas de côdea?
Então e que tal separá-la em casa, partindo do princípio que não estou a falar com gente sem abrigo. Custa muito? Faz dói-dói? Eu duvido que numa dada estrutura familiar toda a gente odeie essa parte do pão e sofra de artrite reumatóide ao mais alto grau. Mesmo quem viva sozinho tem que se esforçar muito para justificar tamanha inutilidade.

Sei bem que quem inventa estas coisas faz muitos estudos antes para verificar se há ursos suficientes para dar viabilidade comercial ao produto. O meu desânimo é que uma vez por outra a malta podia dizer que sim em estudos e depois lixá-los e dizer “Ponham lá as fatias de miolinho num sítio que eu cá sei”.
Assim, prevejo que já tenha faltado mais para se venderem produtos pré-mastigados ou fruta descascada ao quilo.

E sim, depois de comerem essa sandes de pão sem côdea à pressa, podem responder.

16 comentários:

  1. Excelente observação!
    Isso é que era, trocar as voltas a estes estudos de mercado.

    AP

    ResponderEliminar
  2. a d. Esmeralda (a senhora que vai esfregar as loiças à casa da minha avó) sempre que via o anuncio reagia assim:

    (anuncio:
    tem ossos! - cara de tédio
    tem espinhas! - cara de nojo
    tem côdea! - cara de mongo)

    D. Esmeralda quase a espumar pela boca:

    OLHA MOÇO, TEM MERDA!

    ResponderEliminar
  3. sinceramente, não compreendo tanta indignação. compreenderia a indignação se deixasse de existir pão com côdea. mas não. há. e de todas as formas e feitios. e ainda bem. que haja cada vez mais coisas. para todos os gostos. para todos os estilos. quanto a mim, agradeço a comida pré-feita, os congelados, o peixe sem espinhas, o pão sem côdea. e obviamente continuo a agradecer os pratos que ainda demoram 5 horas a cozinhar, o peixe saído do mar, ainda todo por arranjar, e todos aqueles pães, de forno, de lenha, da avó, cuja côdea é fundamental. agradeço a variedade.

    e o que vale é que uma pessoa que vive sozinha não tem que justificar tamanha inutilidade a ninguem.

    PS: se optares por miolinho integral, não o enfies no sitio que lá sabes, pois mais cedo ou mais tarde, é mesmo por lá que vai acabar por saír.

    o teu primeiro paragrafo prometia tanto, mas se calhar não me tinha levado a tanta resposta :)

    ResponderEliminar
  4. Tb não suporto o pão sem côdea... é isso e os iogurtes já batidos (só falta mastigá-los!!! IRRA!!!)

    Sou uma daquelas raras pessoas que prefere os bocados laterais da torrada, ao bocado do meio!!

    ResponderEliminar
  5. A ausência de côdea mexeu mesmo contigo?! Então e os obesos mórbidos com as sacas de 10 quilos de batatatada pré frita?! E as potenciais bulímicas iogurteiras e o seitan new age?! e os putos estridentes a esmifrar pacotes de gomas de socopa com complacência parental à mistura?!

    ResponderEliminar
  6. @ap - Acontece que os estudos de mercado, só por si, já davam pano para mangas...

    @ lady - A D.Esmeralda não tem miolo nem papas na língua ;)

    @ banana - pois que fazes mt bem em discordar, embora eu diga q tanto arranjar o peixe ou pré-preparar uma refeição são tarefas hercúleas quand comparado com tirar a côdea do pão à mão... Sou a favor do progresso excepto quando este é burgesso. Mas, venha de lá essa contestação.

    @ macaca - estou a ver que teríamos uma batalha pela frente ao partilhar uma torrada.

    @sofia - Isto é como no consultório minha cara. Um de cada vez e já é uma sorte...

    ResponderEliminar
  7. Pois... ainda bem que somos todos diferentes!... Sorte a da Bimbo, que pode vender-te um pão a ti e outro a mim, e ficamos ambos satisfeitos!!!

    Eu sou comodista!!!... Gosto que o pão já venha sem côdea. E se arrajassem maneira de trazar já a manteiga e uma fatia (fina) de fiambre da perna... Era 5 estrelas!!!

    Viva a variedade e a diversidade!

    ResponderEliminar
  8. Facilitismo e comodismo... Muito ismo mesmo.

    Venha um ode à preguiça, a mãe de todos os vícios!

    ResponderEliminar
  9. Concordo plenamente continua-se a viver na terra dos estudos de mercado estatisticas.
    Pois o problema é "sofra de artrite reumatóide ao mais alto grau".
    Fixe
    H.G.

    ResponderEliminar
  10. Não gosto de pão de pacote. Para mim a bela da carcaça fresca ou a torradinha de pão saloio - isso é q é!

    ResponderEliminar
  11. Caro Mak, onde andas...já há fruta descascada ao kilo! Basta reparares nas caixinhas de plástico com frutinha linda pronta a comer, com o triplo do preço por kilo e já sem qualquer tipo de vitaminas. Muito bom.

    ResponderEliminar
  12. oh Mak, será que estás a defender mas é a tua côdea com unhas e dentes? sendo, pelo que percebi, a parte do pão que mais gostas? Como não és um bom apreciador de miolo, não poderás nunca compreender a importância do bimbo sem côdea.... mnhã, mnhã... no forno, com alho e azeite, e rodelas de tomate... e coberto de queijo mozarella. salpicado de oregãos... ah... maldito pão sem côdea :)

    ResponderEliminar
  13. Se Faz Favor, a fruta já não sabe a nada, já faz muito tempo. com ou sem casquinha. A fruta que se vende nos supermercados onde se vendem essas caixinhas talvez seja mais util para adorno nos teus filmes. E mesmo lá arranjes mais vitaminas. Ora! Ora!

    ResponderEliminar
  14. Atenção, que não se falseiem factos históricos. Eu gosto de todas as partes do pão. Mas, de facto, não sou apreciador de pão de forma embalado, no geral. E, muito menos de miolo vendido da maneira que já falámos.

    Mas, mesmo considerando a invenção inútil assim a tender para o ridículo, sei que existe por uma razão (vende) e, como tal, subsiste. Para a malta que aprecia, um grande bem hajam. Mais pão do bom sobra para mim ;)

    ResponderEliminar
  15. eu tirei essa conclusão por teres uma batalha se tivesses que partilhar uma torrada com a macaca, que prefere a côdea.

    Mas uma coisa tenho que te dar razão. qualquer miolo de qualquer pão é melhor que o do embaladinho. no entanto, este não deixa de ser útil em determinadas situações.

    E caramba, como é que um miolo de um pão me leva a tanto comentário...

    (e como eu tenho curiosidade das inumeras coisas inuteis, assim a tender para o rídiculo, que tu também não deves comprar... não?)

    ResponderEliminar
  16. Aproveito esta oportunidade para sugerir um novo produto que vou lançar no mercado panificador muito em breve: é um pão sem o miolo que se vai chamar SÓ CODEA.
    O SÓ CODEA vem ocupar uma necessidade específica no mercado que é das pessoas que só gostam da casca. No fundo é uma embalagem, um invólucro que pode ser recheada com tudo o que se quiser: carne assada, queijo, massa de bacalhau, janquinzinhos, vegetais cozidos ou pacotes inteiros de manteiga. É claro que também vou vender os recheios sob a mesma marca para ajudar todas aquelas pessoas que não têm possibilidade de os confeccionar em casa. Vem em vários tipos de côdea: centeio, integral, cereais diversos. E quanto à pergunta qual vai ser o destino do miolo do pão eu respondo já: junto com a codea dos outros pães e faço pão normal daquele com codea e miolo. pode ser que alguém goste assim, de pão dito normal.

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.