17.12.08

Adeus ó vai-te embora


Não tenho jeito para lidar com despedidas emotivas. Nem com despedidos emotivos. Em ambos os casos trata-se de lidar com gente que obviamente não está a funcionar com os cilindros racionais todos e vai exigir de mim coisas que eu não estou disposto a dar. E isto inclui lenços de assoar.

Não pensem com isto que eu sou um traste. Aliás, para quê pensar algo que podem assumir como certo. No entanto, sou um rapaz cortês e sei que é suposto, pelo menos em relação às despedidas, algumas palavras de cortesia visando um entendimento social minimamente aprazível.
É por isso que, em situações triviais, digo “Adeuzinho”, “Tchau” e/ou “Até amanhã” às pessoas com quem me cruzo quando saio por exemplo do trabalho, incluindo aquelas de quem cortava na casaca 10 segundos antes. Não discrimino entre a senhora da portaria e o CEO, leva tudo pela mesma tabela em termos de saudações.

Isto leva-me ao pedido que pretendo fazer. Para mim, as expressões básicas são suficientes para manter a calma e a ordem entre as hostes. Não é preciso grande criatividade ou uma pauta com acordes para que eu tenha alguma consideração por alguém que se despeça de mim. Cenas tipo “Olarilolé, já vais assim é que é” ou “Vai p’ra casinha vai? Então beijinho e cuidadinho” não são aconselháveis, nem valem pontos na caderneta da próxima vez que nos encontrarmos. Aliás, contribuem até para um aumento dos níveis da substância “blaaaaargh” no meu sistema e isso não é bonito de se ver.

Mas, acima de tudo, se porventura nos cruzamos fora deste espaço virtual ou em missivas de paz e amizad, NÃO, mas é mesmo NÃO me usem a expressão “ABREIJOS” em comunicação verbal ou escrita.
É foleira, tem pinta de arranjo de rancho folclórico e é daquelas expressões merdosas que vai pegando tipo moda, primeiro num email, depois noutro, alguém arrisca despedir-se de um grupo assim, a moda pega e o caldo entorna.

Não sei se esta expressão é recente ou não, sei que só de há uns tempos para cá a comecei a ouvir/ler e cheguei a ponderar cegar-me com um garfo ou ouvir folclore afegão até à surdez para não me sujeitar mais a isso.

Querem despedir-se das pessoas? Então façam-no ordeiramente e sem grandes invenções.
Querem armar-se em pequenos saltimbancos criativos e virem-me com expressões dessa cepa? Então preparem-se para correr...

Sound of Music OST – So long, Farewell

12 comentários:

  1. Tenho um problema... não sei correr, senão arriscava.
    Boa Tarde!
    Mereceu o meu sorriso.

    AP

    ResponderEliminar
  2. Por mim, desde que não me digam "jokinhas"... tudo bem!

    ResponderEliminar
  3. Abreijos é a primeira vez que leio (andas a conviver com gente estranha tu). E estou solidária ali com a Teresa. Jocas, joquinhas e afins é que dá vontade de cegar olhos. E no cumprimento, o 'oi'. O 'oi' irrita-me.

    ResponderEliminar
  4. para lidar com despedidas emotivas ou até mesmo com despedidos emotivos, nada melhor que um "até logo". Expressão tão nortenha que adoptei e que no fundo, apesar de querer dizer "adeus e até nunca mais" faz-nos acreditar que afinal ninguem vai a lado nenhum por muito tempo.

    ResponderEliminar
  5. Ainda ninguém se atreveu a usar essa expressão "abreijos" comigo, graças a Deus. Aliás, nem nunca tinha ouvido falar em tal coisa. Mas "jokas", "jokinhas" e "kiss" são para mim igualmente maus. Eu uso o "beijinhos" quando a intimidade assim o obriga, senão uso o "fui!". E mai nada!

    ResponderEliminar
  6. Folgo em saber que essa alarvidade não está tão difundida como eu pensei....

    ResponderEliminar
  7. Enganas-te!
    Andei a treinar corrida!
    Cá vai........
    Re-Oie
    Uga Kido, bene?
    O post ta a kuiar.
    Só pa deixar 1 oi, um kiss, um Jinho...
    ReBeijo (axo é nova, não?)

    AP

    ResponderEliminar
  8. Também sou vítima desses estrangeirismos e neologismos diariamente, via sms, e-mail e, às vezes em pessoa. Escreveram jokinhas é mau, mas dizerem é aterrador. Geralmente escrevo bj ou bjs ou até dia x ou y. É tremendo o peso da língua, do grau de intimidade que uma simples linha pode conter. Gosto dos ingleses "sincerely", "regards": práticos e simples. Em termos profissionais também são comuns as "saudações académicas" que é presunçoso mas formal qb, sem ser demasiado pesado.
    Já agora Mak, "saudações bloguistas" para ti!

    ResponderEliminar
  9. Melhor é mesmo "Despeço-me com amizade e até ao próximo programa" como dizia o Sousa Viscoso...

    ResponderEliminar
  10. Desde que não se despeçam com 'até à próstata' ou 'até jazz', tudo bem....;)

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.