14.11.08

São duas carcaças, um pão de Mafra e terapia emocional por favor



Sou a favor do comércio de bairro, nomeadamente mercearias e padarias, e não é por causa do saudosismo e apego às tradições de antigamente, que fazem chorar qualquer calhau, tirando eu.
Tudo bem que os preços são elevados face às grande superfícies mas, pelo que observo regularmente, não se deve arranjar psicanalista mais barato. Bem vistas as coisas, onde é que se arranja uma boa consulta pelo preço de pão para almoço e jantar?

Entre os cumprimentos da praxe, o pedido e o acto de pagar, pode-se desabafar sobre problemas em casa, sobre a solidão, sobre a incerteza do futuro profissional e até sobre o facto da senhora do Corsa Azul andar mais arranjadinha. O merceeiro/padeiro não vai reclamar e vai fingir-se atento, pois a clientela tende a rarear nos dias que correm e boa parte dos outros fregueses vai sentir-se satisfeita por poder participar num painel clínico em que opiniões acutilantes como: “Deixe estar, vai ver que amanhã se Deus quiser já se sente melhor”, “Olhe, eu sei bem o que isso é, lá em casa é a mesma coisa” ou “Isto está cada vez pior, é viver cada dia o melhor que se pode, porque nunca se sabe o amanhã” são valorizadas ao nível dos melhores medicamentos.
Mas, apesar de apreciar sinceramente que aquela corja se despachasse e me deixasse comprar um simples croissant em menos de dois minutos, eu compreendo e encorajo esse comportamento. É que posso não ter pachorra para estes filmes, mas mais vale gastar o dinheiro em couves e vianinhas do que em psicanalistas duvidosos.

3 comentários:

  1. Pois eu adoro a mercearia do Sr Manel, na minha rua, mesmo no prédio ao lado do meu. É ver-me às 7h30 da manhã de pijama, cabelo desgrenhado e cara de sono a ir beber o meu primeiro cafézinho.
    E claro q há sempre conversa. Eu gosto de começar o dia assim.

    ResponderEliminar
  2. Uma vianinha vale mais do que muitos psicanalistas!!!

    ResponderEliminar
  3. Não há nada como as "coisas de bairro"!

    O "Bom dia" a cada esquina. Entrar no café e ser servida porque sabem o que gostamos. Tratarmo-nos pelos nomes. Sentirmo-nos parte das histórias...

    Eu também gosto. Sou assim.

    Bjnhs
    T

    http://uma-musica-por-dia.blogspot.com/2008/07/viagens-na-minha-terra.html

    http://uma-musica-por-dia.blogspot.com/2008/09/my-hometown.html

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.