21.11.08

Já tens planos para o terramoto do fim de semana?


Sinceramente, agradeço a quem teve a iniciativa de marcar um simulacro de terramoto para este fim de semana. É uma resposta de mão cheia para quem se queixa de falta de oferta em termos de actividades originais em Lisboa. Isto para não falar que, para um povo que não é conhecido pela sua organização, ter um cronograma de um terramoto, permite presumir que, quando se trata de desgraça, estamos sempre prontos para a rambóia.

No entanto, tenho um reparo a fazer. Com tanta coisa a acontecer ao mesmo tempo, as sobreposições de eventos acabam sempre por suceder e é aborrecido para quem quer fazer parted a festa. Por exemplo, neste momento estou indeciso entre ser soterrado amanhã num aluimento de terras nos Prazeres ou ficar encarcerado no túnel do Campo Grande.
Domingo, a história repete-se… juntam-se uns amigos para constar numa lista de desaparecidos no rebentamento de uma conduta de água ou uma explosão numa superfície commercial é melhor para passar uma tarde em grande.

Embora aquela sensação de surpresa de terra a fugir debaixo dos pés esteja perdida no meio de uma agenda que tem tudo previsto ao milímetro, até apetece ser vítima de uma catástrofe natural em Lisboa. Espero que as equipas de reportagem da TVI também levem as coisa a sério e ponham em prática o dramatismo tradicional. Não é por ser a brincar que vão começar a desiludir as pessoas.

Por isso, meu amigos, escolham bem a vossa actividade para o fim de semana e, quem sabe, talvez nos encontremos num qualquer cenário de crise, maca de ambulância ou cama de campanha espalhados aí pela capital.

Com tanta emoção e planeamento desta vez, isto só prova que quando as coisas correm mal é porque as pessoas não planeiam as catástrofes como deve de ser. Depois queixam-se que não teve gracinha nenhuma…

4 comentários:

  1. Ainda estou a tremer de toda esta emoção...

    ResponderEliminar
  2. eu fiquei desapontada com o simulacro...a caracterização dos figurantes não era das melhores e a actuação podia ir mais longe. Como havia uma preocupação comercial, a abordagem foi muito light.

    ps - mak, se não responderes ao desafio és um cócó e nunca mais na minha vida volto a por aqui os pés.

    ResponderEliminar
  3. Na 6a estive num colóquio no centro da cidade. O último conferencista, um "Big Shot" chegou tardíssimo (coisa que para um britânico não só é impensável, como dramático). Começou a sua intervenção por pedir desculpa pelo atraso que se deveu ao "terramoto... que ainda não aconteceu" Viva o planeamento!

    ResponderEliminar
  4. E agora, o resultado: Não estamos preparados!!!!

    Jurem?!?!?! Ohhh... e eu que pensava que estávamos completamente apostos!

    Descobriram a pólvora!

    T

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.