27.11.08

Ir de encontro à Gramática

Acreditem, não sou daquele tipo de merdas que corrige cada pormenorzinho que se diz ou escreve por não estar em conformidade com as normas gramaticais vigentes. Em vez disso, sou daquele tipo de merdas que corrige coisas que não estão em conformidade com os meus padrões de sanidade mental e/ou raiva mal contida.

Posto isto, segue-se uma pequena demonstração audiovisual daquilo que pretendo ilustrar enquanto erro comum que já vi acontecer tanto em noticiários, como com o gajo que toma uma bica ao meu lado e até com pessoas que tinha até em alguma (pouca) consideração.

Exemplo 1 – Neste caso, pode dizer-se que os Chefes de Estado FORAM AO ENCONTRO uns dos outros, tirando do Bush, possivelmente por terem visto que ele saiu do WC sem lavar as mãozinhas, na melhor das hipóteses.

>

Exemplo 2 – Nesta situação, o objecto da reportagem FOI DE ENCONTRO ao próprio do repórter. É caso para dizer que foi uma reportagem chocante.



Em função destes didácticos exemplos, não é difícil perceber qual a diferença. Não vamos de encontro a objectivos, a não ser que o objectivo seja exterminar alguém via atropelamento. Por isso, cuidadinho minha gente...

E o primeiro que se lembre de me chamar Edite Estrela que dê graças por poder fazê-lo sob (e não sobre) a capa do anonimato cibernético.

7 comentários:

  1. Edite Estrela!

    Ooops, não estou anónimo.

    Tarde demais. Já carreguei no "Publicar comentário".

    ResponderEliminar
  2. Tens a teu favor o facto de eu não saber se és um praticante federado de taekwon do ou tens como hobbie o krav maga.

    São sempre factores a ponderar antes de iniciar contendas :)

    ResponderEliminar
  3. Pois eu sou mesmo daquele tipo de merdas que corrige todo e qualquer erro de Português (entenda-se, desses erros verdadeiramente anormais).

    Exemplos??? Pois bem, frases como:

    - "o comer" está pronto...
    - hoje não "à" jantar...
    - amanhã vou "há" praia...
    - hoje "fizes-te" serão...
    - onde se "encontrão" os amigos...

    São apenas alguns, entre muitos e muitos exemplos de completo analfabetismo, entre portadores dos mais diversos canudos (principalmente engenheiros, não sei porquê)

    Como é possível não saber distinguir a palavra comer da palavre comida. Ou adiferença entre um "há" e um "à"???

    ... talvez seja eu que valorizo demais estas coisas...

    Bjs
    T

    ResponderEliminar
  4. Estou com a Teresa.
    E tenho a mania de corrigir. Mas sou daquelas pessoas q se cometer um erro, agradeço q me corrijam.
    Detesto ficar na ignorância.

    ResponderEliminar
  5. E o "voçês"? Não é maravilhoso?

    ResponderEliminar
  6. Eu sou ignorante. Não gosto é de gente que pensa que é mais do que eu...

    ResponderEliminar
  7. Oh! Falaste-me ao coração.

    (ou então: falastesme ao curaçaum.)

    Gosto tanto de pessoas que falam bom português!(não obstante, sobretudo pela blogosfera, também me engano)

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.