10.11.08

Conduzindo ao fim de semana


Conduzir ao fim de semana devia ser uma experiência libertadora. Livres de pressas e da maralha que, de segunda a sexta, preenche as avenidas e ruas de Lisboa, seríamos nós, o carro e o prazer da condução descontraída. O problema é que todo o velhote desprovido de Alzheimer pensou exactamente o mesmo.

Eu sou um tipo paciente, não buzino freneticamente mal o semáforo abre, não gesticulo quando o carro da frente vai abaixo e solto apenas ligeiros impropérios perante a ausência de piscas em manobras que o requerem. Acima de tudo, não discrimino o condutor de fim de semana porque, traço geral, é exactamente ao fim de semana que eu conduzo. Mas, há algo no condutor idoso perigosamente à beira da senilidade que me tira do sério.

É certo e sabido que, com a idade, os reflexos diminuem, a memória de curto prazo idem, isto para não falar na visão periférica e na dentição natural. Tendo isto em conta, porque raio é que a maior parte dos velhos que conduz ao fim de semana tem carros cujo tamanho se inclui quase na categoria barco? E não me venham os defensores da terceira idade dizer “Ah coitadinhos, é o carro que têm há muitos e bons anos”. Não é, porque este fim de semana foram Mercedes recentes e Volvos brilhantes que à minha frente desafiaram a lógica das manobras de condução e a minha paciência. Foram BMW’s, Rover’s e outros que tais cuja juventude contrastava com as carcaças ao volante e cujo ar veloz e reluzente surpreendia pela imobilidade com que bloqueavam ruas, cruzamentos e a minha felicidade e descontracção.

Caro idoso, se me lês enquanto preparas a camurça para encerar o teu bólide de fim de semana, aponta isto antes que a falta de memória se imponha. Que tal comprares um carrito pequeno, que não perturbe a tua mobilidade (e também a tua barriguinha) mas também não lixe a vida a quem só quer ser feliz ao fim de semana? Melhor ainda, liga ao teu filho, que a tantos sacrifícios te obrigou, relembra-lhe isso mesmo e pede-lhe para te levar ao jardim ou a almoçar fora no domingo. Tudo bem que o facto de ele ter emigrado para Inglaterra pode ajudar a que não te dê boleia, mas esses 10 minutos ao telefone podem ser os suficientes para não nos cruzarmos na estrada, no caso de insistires em trazer o barco para a rua.

Como diz aquele grupo de pirosas vestidas estilo contentor da reciclagem “Fazes-me esse favorzinho, fazes?”
É que, ao contrário delas, eu tenho cabedal para te furar os pneus...

10 comentários:

  1. Se bem que furar um pneu não é uma questão de força mas sim de jeito, percebe-se o tom ameaçador...

    Não esqueças é que um dia chegado a provecta idade, também tu poderás desejar passear o teu barco na rua.

    Ainda assim, não posso deixar de concordar que, por vezes, é exasperante estar atrás de determinados condutores.

    Nessas alturas abro o vidro e grito "Baza! Fazes-me esse favorzinho, fazes?" se bem que, obviamente, não estou vestido de ecoponto. De pilhão, quanto muito!

    ResponderEliminar
  2. Cá está, ou não fosses tu, Mak, o MAU!
    Confesso q quando me cruzo com a terceira idade na estrada, acabo sempre por ser um pouco condescendente. Em contrapartido, tudo o q não é terceira idade consegue me tirar do sério e queimar os meus nervos...
    ... "olha-me este atrasado mental... tão novo, e a conduzir como se fosse um velho jurássico."
    Sim, e a cilindrada do carro tb conta. Muitas vezes pergunto-me : Será q este gajo não quer trocar de carro comigo? já que o meu não dá mais de 100 por hora, e o dele deve ir aos 220 em segundos!"

    ResponderEliminar
  3. Caríssimos, eu sou condescendente e não quero erradicar os idosos da estrada. Acho é que mts deles tinham a vida facilitada e facilitavam também a dos outros se tivessem carrinhos mais práticos, mais pequenos e não a cena do "Epá, agora que estou na reforma, vou comprar o carro grande que sempre quis ter ou então recuperar a chaleira gigante e pô-la nas ruas".

    ResponderEliminar
  4. Então, então?? E a fama?? Mak, o condescendente?
    Deixa-os lá... andaram a poupar a vida toda para isso... sim, q a crédito é impossível, ninguém lhes dá naquela idade... antes assim,do q aquela malta q deixa de dar comida aos filhos só para mostrar q tem uma grande máquina!! Esses sim, deviam ser erradicados!
    Eu gosto de carros, gosto do lado estético do automobilismo, mas sou daquelas pessoas q pensam que, independentemente da idade, de nada vale ter um carro q marca 280 se nunca na vida vou andar com ele a mais de 120 (se não quero passar a vida a receber multas em casa!).

    p.s.: o meu carro, só para q conste, é um Toyota Corolla de 1974, eheheh. Anda q se desunha, mas no máximo a 100/110. E tá bom assim. Só não dá muito jeito para viagens longas!

    ResponderEliminar
  5. É por temerem pela vida que compram carros maiores. Porque são carros mais seguros, mais resistentes, mais confortáveis para a coluna. Era arriscado andarem a enervar o pessoal num C3 ou num Ibiza... Por muito menos, eu própria, ja corri perigo de vida em 2004, quando um grupo de vândalos me abanou o carro todo, apenas e só porque Portugal eliminou a Inglaterra, pq o Ricardo defendeu 3 penaltis, e não sei quê que tirou as luvas, e depois marcou um golo...
    Atenção, pode não parecer, mas o idoso não anda a dormir.

    Maryana

    ResponderEliminar
  6. Ahahah
    Vim cá ter depois de me desmanchar a rir com o teu comentário na Kitty Fane. Boa!
    Ali no debaixo, até podias enganar algumas pessoas. Mas as que se querem impressionar, não se deixam enganar. Digo eu :-)

    ResponderEliminar
  7. Esqueceste-te da cena das bolinhas de madeira para a coluna, no assento do condutor...isso sim é de arrepiar!

    ResponderEliminar
  8. @ illatonero - Tb tenho os meus defeitos é certo, a condescendência e o respeito pelos animais são apenas alguns deles... ;)

    @ maryana - É por ainda ter em atenção os velhotes que lhes recomendo carros mais pequenos e manobráveis. Afinal de contas, vê com atenção as notícias e vê lá qts acidentes vês com Smarts e afins e qts vês com carros tipo BMW. Mercedes, etc...

    @ Precis - Eu não engano ninguém, a não ser q haja dinheiro envolvido é claro ;)

    @ sff - Isso é mais kit do grupo taxista, embora tenha mts adeptos no grupo 3a idade, já que um e outro são às vezes sinónimos...

    ResponderEliminar
  9. "É que, ao contrário delas, eu tenho cabedal para te furar os pneus..." Não as subestimes que aquilo é malta para descalçar os Jimmy Choo e destruir pneus por essa Lisboa fora!
    Quanto aos velhotes há que contar ate 100 e apreciar o trajecto...Nem que seja aquele feito da Damaia para Alfragide.

    ResponderEliminar
  10. E vá lá que este post foi pouco antes do acidente à saída da ponte vasco da gama em que morreram três idosos que iam para um funeral e com uma coroa de flores no carro, senão era de mau gosto..:)

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.