14.10.08

O Síndrome do prisioneiro


Antes de mais, gostaria de dizer que não tenho qualquer formação em psicologia, tirando algumas interessantes cadeiras que tive a oportunidade de visitar durante a faculdade. Aliás, posso até acrescentar que tenho a impressão de que uma boa percentagem das pessoas que tiram cursos de psicologia fazem-no um pouco no âmbito do espírito “Arranje você mesmo”, próprio de quem tem alguns problemas por resolver.

Posta esta introdução, vamos ao que interessa – Há em mim um talento capaz que me equipara ao melhores psicólogos. A um interesse pela natureza humana nas suas facetas mais absurdas, junto uma imaginação mais fértil do que os terrenos da Mesopotâmia dos tempos antigos o que, em conjunto, me permite conjecturar teorias sobre quase tudo.

Daí, foi fácil chegar ao Síndrome do Prisioneiro que, mais do que uma teoria, é um aviso. Ora vejamos, um preso que esteja muito tempo numa cela com um companheiro sujeita-se a isto – Ao início, o companheiro pode parecer-lhe um perfeito anormal que lhe causa repulsa. Ao fim de uns tempos, o prisioneiro começa a dar um desconto ao companheiro “Ele afinal não é tão mau, teve foi uma infância difícil. E aquela tatuagem com um esquelto a violar a Madre Teresa tem a sua piada”.
Conforme o tempo vai passando, o antagonismo vai-se esbatendo, já que a falta de escolha e de tempocondiciona a vida social. Não será difícil que, salvo danos maiores, os defeitos do companheiro, inicialmente um facínora, sejam agora perfeitamente justificáveis e ele tenha agora outro “papel” no nosso coração. Qual? Depende da pena e do desespero...

Transporte-se este cenário para a vida de muita gente à nossa volta. Salvo aqueles que conseguem manter a sua vida social em patamares de alta competição, estamos a maior parte do dia confinados aos mesmo espaços. Com base nisso, temos já terreno para chegar ao Síndrome do prisioneiro. Em escritórios, adegas cooperativas, instituições estatais e não só surgem todos os dias exemplos de uma epidemia deste Síndrome. Nos casos mais graves, gente que se odiava vive agora relações tórridas, nas maleitas mais suaves, é só fruto da falta de tempo.

O que é que eu tenho a ver com isso? Em teoria, enquanto parvo opinativo, tudo. Na prática, mal me comece a sentir afectado e comece a ver qualidades onde antes só via defeitos, a solução é simples – emigro.

3 comentários:

  1. Não podes é emigrar para Estocolmo, não vá a síndrome apanhar-te!

    ResponderEliminar
  2. Quem já não passou por isso!

    ResponderEliminar
  3. MUITO BOA A TUA PONDERAÇÃO BEM ARTICULADA, ETC. MAS, POSSO ACRESCENTAR?

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.