29.9.08

Forever a Newman



Há gente que só é boa depois de morta, outros garantem esse estatuto ainda em vida, não por se esforçarem por isso, mas sim por efectivamente o serem. Paul Newman faleceu aos 83 anos, mas o seu lugar na história há muito que já tinha sido estabelecido. Combinando distinção no ecrã, com um pensamento próprio e uma actividade extensa como filantropo, Newman nunca se esforçou por ser um queridinho em Hollywood, preocupando-se muito mais com aquilo que realmente importa - a vida real.

Como é óbvio, houve altos e baixos no seu percurso, quer como actor quer como homem mas, olhando para trás, para além de performances notáveis desde os tempos de The Hustler / O jogador (1961) e outros, um casamento de 50 anos que termina apenas com a sua morte ou uma empresa na área alimentar que desde há anos distribui os seus lucros pelos mais necessitados, falamos de alguém que soube marcar uma posição na vida, incluindo na sua fase derradeira.

E, quando vejo a sua família optar por um funeral privado, longe do mediatismo e transmitir a mensagem de "Se querem demonstrar o vosso afecto por Paul Newman, façam hoje algo por alguém que realmente necessita", creio que ele deixou tudo realmente bem encaminhado.

É que, afinal de contas, nem tudo se guia apenas pela cor do dinheiro.

1 comentário:

  1. Nem tudo se guia pela cor do dinheiro, é verdade. Se bem que aqueles olhos azuis eram autênticos faróis!...

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.